Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Thomas Traumann Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Thomas Traumann é jornalista e consultor de risco político. Foi ministro de Comunicação Social e autor dos livros 'O Pior Emprego do Mundo' (sobre ministros da Fazenda) e 'Biografia do Abismo' (sobre polarização política, em parceria com Felipe Nunes)
Continua após publicidade

Atos anti-Bolsonaro podem ser o novo Diretas Já

Com ou sem políticos, protestos do dia 19 serão fortes

Por Thomas Traumann Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 9 jun 2021, 15h41 - Publicado em 9 jun 2021, 15h36

Em 1983, um desconhecido deputado federal de Mato Grosso apresentou uma emenda constitucional reinstituindo, depois de quase vinte anos de ditadura, o voto direto para presidente da República. O Brasil era governado então pelo incompetente João Figueiredo, o quinto general eleito presidente por via indireta, e as chances de aprovação do projeto eram nulas. Apesar da vitória oposicionista nos maiores Estados nas eleições de 1982, o partido da situação mantinha ampla maioria na Câmara, no Senado e, principalmente, no Colégio Eleitoral que elegeria o novo presidente em 1985.

Mesmo assim, a oposição foi às ruas. A primeira manifestação, em Curitiba, tinha poucos milhares de pessoas. Mas mais do que a viabilidade de aprovação da emenda, o que os comícios das oposições ao governo militar mostraram é que havia um espaço para brigar. Com o tempo, estavam nos palanques figuras que concorriam entre si, como Ulysses Guimarães, Leonel Brizola, Mario Covas, Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva, mas que concordavam que a prioridade era tirar os militares do poder.

Ao final de meses dos maiores protestos de rua da história, a emenda teve 298 votos a favor, 65 contra, 113 ausências e 3 abstenções. Não foi aprovada por 22 votos, mas ruiu a imagem do governo e abriu a janela para que a oposição derrotasse o governo nas eleições indiretas de 1985.

No próximo dia 19, as entidades que organizaram o primeiro ato contra Bolsonaro em maio, marcaram um novo protesto. A primeira manifestação foi um sucesso surpreendente. Centenas de milhares de pessoas foram às ruas de dezenas de cidades para exibir sua rejeição ao governo e seu luto com os mortos por Covid-19. Os atos do dia 19 de junho terão a mesma vibração, com ou sem o apoio dos partidos de oposição.

Na política, você nunca aposta contra a onda. Bolsonaro está em seu pior momento. Em mais alguns dias, o Brasil vai ultrapassar 500 mil mortos por Covid e é difícil não imaginar quantas dessas vidas teria sido salvas se tivéssemos um presidente minimamente sério e menos charlatão. A inflação em doze meses ultrapassou 8%, o desemprego está em 14,5% e a confiança do consumidor está em mínimas históricas. O Brasil está sob um gigantesco “feel bad factor”, um desânimo desesperador com o presente e com o futuro.

Continua após a publicidade

Nessas circunstâncias, ir às ruas é um gesto de desafogo. Protestar no meio da pandemia é arriscado. Não existe vírus do bem. Mas se quiserem enfraquecer Bolsonaro, as oposições precisam se organizar para voltar às ruas de uma forma minimamente segura.

É provável que ao contrário dos anos 1980, não se consiga colocar no mesmo palanque políticos tão díspares quanto Lula, Ciro Gomes, João Doria, João Amoêdo e Luciano Huck, mas isso importa pouco. Eles podem estar fisicamente em lugares diferentes, desde que estejam defendendo a mesma coisa. Também é quase certo que por maiores que sejam os atos antigoverno, não haverá tempo para um impeachment. Mas os atos de rua podem abrir a janela para que Bolsonaro não apenas perca no voto, mas também não tenha sustentação para uma quartelada.

O Congresso, a mídia e a elite financeira se mexem com povo na rua.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.