Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
. Thomas Traumann Jornalista e consultor de comunicação, é autor de "O Pior Emprego do Mundo", sobre o trabalho dos ministros da Fazenda. Escreve sobre política e economia

A mãe de todas as pesquisas

O período de troca de partidos vai mostrar quem os políticos acham que será eleito presidente

Por Thomas Traumann 8 mar 2022, 17h06

Desde a quinta-feira (02/03) e até 1º de abril o Brasil terá a mais profunda pesquisa eleitoral da campanha de 2022. Neste período, deputados federais e estaduais podem mudar de partido sem correr o risco de perder o mandato por infidelidade. É uma janela que obriga os políticos a tomarem as decisões mais racionais. Se forem candidatos em um partido que não obtiver o quociente eleitoral ou numa legenda na qual a disputa interna exige muitos votos, eles poderão perder seus mandatos.

É como se fosse uma pesquisa na qual a amostra é um grupo de controle extremante bem informado e com uma punição alta em caso de erro. No mundo pragmático da política, isso significa que um deputado não vai trocar o partido A pelo B apenas por uma divergência interna, mas vai se direcionar para aqueles que lhe derem as melhores condições de reeleição _ seja em dinheiro para financiar a campanha, seja nas alianças nos Estados. Como nenhum outro grupo tem tanto a perder se escolher o partido errado, essa janela de trocas é como uma banca de apostas dos profissionais sobre quem será o próximo presidente.

Em 2018, um em cada sete dos 513 deputados federais trocou de partido na janela eleitoral. Não adiantou muito, pois o humor do eleitor era tão contra todos os políticos que gerou a maior renovação da história do Congresso. Em quatro anos, o clima mudou. Youtubers e personalidades de fora da política não fazem tanto sucesso, o dinheiro para financiar as campanhas é o maior da história e as emendas dos parlamentares são recordes. O ambiente para reeleição é melhor, mas é preciso acertar o melhor partido.

Provavelmente, o grande vencedor do troca-troca partidário será o PL, do presidente Jair Bolsonaro, e que tem hoje 42 deputados. Como vários bolsonaristas foram eleitos pelo PSL (atual União Brasil), haverá uma reacomodação de pelo menos 20 parlamentares. O PP 943 deputados), que também está aliança bolsonarista, também deve crescer.

A aliança lulista depende da evolução das conversas sobre a criação de uma federação envolvendo o PT e o PSB. Se o acordo sair, o PSB pode sair dos atuais 30 deputados. Caso contrário, diminui de tamanho (o que explica a pressão dos deputados do partido a favor da aliança).

A filiação do ex-governador Geraldo Alckmin, provável vice de Lula, também fará diferença. Se Alckmin for para o PSB, o partido terá ganhos, especialmente em São Paulo. Se ele for para o PV, essa será a legenda ganhadora.

O prazo de escolha também vai pressionar os dirigentes partidários a encerrar o período de candidatos sem chances. Com a eleição polarizada, a maioria dos deputados prefere, por motivos óbvios, que todo o dinheiro do fundo eleitoral seja gasto nas suas campanhas e não em candidaturas presidenciais inviáveis. Isso significa uma pressão para acabar com a candidatura de João Doria (PSDB), Simone Tebet (MDB) e Sergio Moro (Podemos). O PDT de Ciro Gomes admite que chegará a abril menor do que os atuais 25 deputados.

Para saírem candidatos a presidente, tanto Eduardo Leite quanto João Doria precisam deixar os governos até 3 de abril e aguardar até a primeira semana de agosto para terem os seus nomes eventualmente oficializados como candidatos. Vão deixar seus cargos com índices mínimos nas pesquisas e tentar por quatro meses convencer seus partidos que podem mudar o jogo a partir de agosto.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês