Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Thomas Traumann Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Thomas Traumann é jornalista e consultor de risco político. Foi ministro de Comunicação Social e autor dos livros 'O Pior Emprego do Mundo' (sobre ministros da Fazenda) e 'Biografia do Abismo' (sobre polarização política, em parceria com Felipe Nunes)
Continua após publicidade

54% acham Lula bem-intencionado, mas 42% rejeitam presidente

Pesquisa Genial/Quaest mostra que país segue dividido; política externa é foco de críticas

Por Thomas Traumann Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 26 jun 2023, 16h04 - Publicado em 26 jun 2023, 12h13

Um recorte da pesquisa Genial/Quaest ajuda a entender o grau de dificuldade de Lula em falar com os eleitores de Bolsonaro e as oportunidades desperdiçadas hoje. As perguntas parecem simples: o presidente é bem-intencionado? O presidente consegue entregar o que prometeu?

Com menos de seis meses no cargo, em condições normais de temperatura e pressão, um presidente qualquer seria considerado bem-intencionado pela maioria e ainda reticente em cumprir suas promessas de campanha. A pergunta fica interessante quando se compara o resultado de Lula hoje com o de Bolsonaro em junho de 2019:

Bolsonaro / Lula

Bem-intencionado/Cumpre promessas. 21% e 38%

Bem-intencionado/Não cumpre promessas. 32% e 18%

Continua após a publicidade

Mal-intencionado/Cumpre promessas. 25% e 2%

Mal-intencionado/Não cumpre promessas 14% e 40%

Não sabe/não respondeu 8% e 2%

Lula é visto como bom por 54%, mas apenas 38% dizem que ele entrega o que cumpre. No mesmo período, Bolsonaro era visto como benigno por 53%, mas entregador apenas por 21%. O ódio a Lula, no entanto, está mais sedimentado: no início do governo, 33% achavam Bolsonaro maléfico. Em Lula, são 42%. Os anti-Lula são maioria nos segmentos dos eleitores que ganham acima de 2 salários mínimos, com ensino superior, evangélicos e com idade entre 35 e 39 anos — um perfil similar ao que votou em Bolsonaro.

Continua após a publicidade

Esses números mostram que existe uma parede para Lula. É altamente improvável que os 42% que o consideram maligno passem a apoiar o seu governo, já que este é um conceito emotivo, de quem realmente não gosta do presidente.

Faltando 3 anos e 6 meses para o fim de mandato, Lula tem um apoio sólido de 38% (os que o consideram bem-intencionado e cumpridor de promessas) e a oposição de 40% (que o acham mal-intencionado). Onde está a oportunidade? Nos 18% que gostam de Lula, mas acham que o seu o governo não é tudo isso. É um grupo que se espalha em 20% na margem de erro por todas as faixas de renda, escolaridade, gênero, religião e região do país, mas no qual é possível identificar uma boa vontade com o presidente. Dos que gostam de Lula e esperam um governo melhor estão 21% dos próprios eleitores do presidente e 18% dos que hoje já aprovam o seu governo.

É um típico problema de comunicação. Existe um número expressivo de eleitores com boa vontade com Lula (uma característica emocional) e que aguardam fatos (informação racional) para aumentar a sua adesão.

A mesma pesquisa mostrou que 35% dos entrevistados não conseguiam recordar de uma única notícia sobre o governo. Entre as notícias pelos demais, as positivas mostram ação direta do governo na vida das pessoas: queda no preço dos combustíveis (8%), decreto do piso dos professores (6%), melhora na economia (7%). Entre as negativas, 10% citaram o encontro com o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro. A política externa, aliás, é um ponto crítico: 2% criticam Lula por viajar demais, 2% pelas declarações sobre a Ucrânia e 2% pelo anúncio de empréstimos à Argentina.

Continua após a publicidade

Isso indica que Lula tem o potencial de ampliar a sua aprovação se centrar a agenda em mais ações que melhorem a vida das pessoas e menos temas externos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.