Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Nova Temporada Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por Fernanda Furquim
Este é um espaço dedicado às séries e minisséries produzidas para a televisão. Traz informações, comentários e curiosidades sobre produções de todas as épocas.
Continua após publicidade

A verdadeira família Ingalls

Quem assistiu à série Os Pioneiros já foi apresentado à família Ingalls. Produzida entre 1974 e 1983, a série introduziu ao telespectador a história de Charles Ingalls e sua esposa Caroline que, com suas três filhas, Mary, Laura e Carrie, viveram no final do Século XIX em uma pequena casa de Walnut Grove. Procurando abordar […]

Por Fernanda Furquim Atualizado em 31 jul 2020, 03h00 - Publicado em 27 set 2014, 15h48
(E-D) Mary, Charles, Carrie, Laura e Caroline Ingalls na série 'Os Pioneiros', da NBC

(E-D) A versão televisiva de Mary, Caroline e Laura, com Charles e Carrie na segunda fila. (Fotos: NBC/Arquivo)

Quem assistiu à série Os Pioneiros já foi apresentado à família Ingalls. Produzida entre 1974 e 1983, a série introduziu ao telespectador a história de Charles Ingalls e sua esposa Caroline que, com suas três filhas, Mary, Laura e Carrie, viveram no final do Século XIX em uma pequena casa de Walnut Grove.

Procurando abordar os mesmos valores familiares de Bonanza, o ator Michael Landon, que na série de faroeste interpretou Little Joe, convenceu a rede NBC a produzir o telefilme Little House on the Prairie. Apresentando uma família de pioneiros que vive nas planícies do Kansas no período pós-guerra civil, o telefilme termina com os Ingalls sendo expulsos de sua casa por uma ordem do governo.

A boa audiência levou à produção da série, que apresentou a família se estabelecendo na pequena cidade de Walnut Grove, em Minnesota, onde fazem amigos, vencem obstáculos e emocionam o público com estórias dramáticas, tocantes, por vezes cômicas e românticas.

A série, que transformou os Ingalls em um modelo de família a ser seguido, foi livremente inspirada na autobiografia de Laura Ingalls Wilder. Entre 1929 e 1930, já beirando os 60 anos de idade, Laura escreveu suas memórias, nas quais narra a sua vida, a de sua família, bem como a de pessoas que ela conheceu. Com o título de Pioneer Girl, o livro foi oferecido a diversas editoras na década de 1930, mas nenhuma delas se interessou em publicar a obra. Com a ajuda da filha, a escritora Rose Wilder Lane, Laura revisou sua autobiografia, adaptando-a para o público infantil. Com uma versão romantizada e idealizada da vida no final do Século XIX, Laura conseguiu que sua autobiografia fosse publicada, tornando-se um sucesso de público.

Continua após a publicidade

Pioneer GirlEntre 1932 e 1943, foram publicados oito livros, cada um focando um período ou um tema relacionado à vida de sua família e daqueles que ela conheceu. Outros quatro foram publicados após sua morte em 1957, aos 90 anos de idade. Estes últimos tiveram como base cartas escritas por ela, bem como diários e manuscritos.

Esta série literária serviu de base para a produção da NBC. Mas, se a versão infantil já vinha censurada, a adaptação da TV foi mais além. Romantizando ainda mais os fatos e idealizando situações, a série  criou e condensou personagens, inventou e mudou situações. Temos como exemplo Albert, Cassandra e James, filhos adotivos dos Ingalls na série que não aparecem nos livros de Laura.

Ao longo de anos, os fãs da série Os Pioneiros que se interessaram em conhecer a verdadeira história dos Ingalls se contentaram com os livros publicados por Laura. Agora eles terão a oportunidade de conhecer a versão real da história desta família.

No dia 20 de novembro a South Dakota Historical Society publicará o livro Pioneer Girl, que traz a história originalmente escrita por Laura na década de 1930. Ao longo de todos esses anos, o texto foi preservado pelo Laura Ingalls Wilder Historic Home and Museum, em Mansfield, Montana, sem nunca ter sido publicado.

Continua após a publicidade
Os verdadeiros Charles e Caroline Ingalls (Foto: Hoover Library)

Os verdadeiros Charles e Caroline Ingalls

A história é a mesma perpetuada pela versão infantil. O diferencial fica por conta de passagens nas quais Laura narra situações mais violentas, realistas e tristes que tinham sido excluídas da versão infantil.

Segundo foi divulgado pela editora, a versão original da vida de Laura apresenta situações de violência doméstica, um triângulo amoroso que não termina bem e a morte de um homem que, ao tentar ascender um charuto, provoca um incêndio com o bafo do álcool. Entre as passagens citadas está a forma como Laura e Mary ajudaram a matar o porco da família e depois se divertiram jogando futebol com a bexiga inchada do animal.

Na versão infantil de sua autobiografia, Laura excluiu do texto o ano em que a família morou em Burr Oak, Iowa. Por considerar uma época triste para a família, ela decidiu excluir esta passagem, que aparece em Pioneer Girl.

Continua após a publicidade

Algumas situações já retratadas na primeira versão (e posteriormente na série) são apresentadas em Pioneer Girl com mais detalhes, como a praga de gafanhotos de 1870, que acabou com a plantação deixando muitos moradores de Minnesota passando fome e sem emprego.

Carrie,Mary,Laura 1879

(E-D) Carrie, Mary e Laura em 1879.

O livro também introduz o leitor aos personagens que serviram de inspiração para a série de TV, como as três meninas transformadas em Nellie Olsen, bem como novos personagens. Entre eles, o casal George e Maggie Masters e seus filhos que, durante o inverno de 1880, viveram com os Ingalls. O livro também revela que Mary ficou cega por causa de uma meningite viral e não por consequência de uma escarlatina. Ao escrever a versão infantil, Laura achou que o público compreenderia melhor a situação se a doença fosse escarlatina.

O pai de Laura foi uma pessoa muito importante em sua vida. Razão pela qual ele aparece no livro e na série em destaque. Laura idolatrava o pai, descrito como um homem apaixonado por música, poesia, bem como caçadas.

Continua após a publicidade

Na vida real, ele foi uma membro ativo da sociedade. Charles chegou a exercer o cargo de juiz de paz e foi membro da diretoria de escolas. Ele morreu em 1902 e em seu obituário, o jornal de DeSmet, onde vivia, o retratou como um cidadão honesto e religioso, justo em seus negócios e em seus relacionamentos pessoais; carinhoso e cortês com os amigos e vizinhos; leal e amoroso com a família. Mas existem passagens no livro Pioneer Girl que conseguem revelar o homem por trás do mito.

Laura descreve uma situação em que, sem dinheiro para pagar o aluguel, Charles foge com a família durante a noite, evitando o confronto com o senhorio, a quem ele classifica como um velho rico e sovina. O pai retratado na série e na versão infantil da obra de Laura jamais tomaria tal atitude.

Laura Ingalls Wilder aos 70 anos de idade. (Foto: Hoover Library)

Laura Ingalls Wilder aos 70 anos de idade. (Foto: Hoover Library)

Embora a série de TV tenha passado a ideia de que os Ingalls viveram em Walnut Grove durante muitos anos, deixando a cidade quando as crianças já estavam adultas, na vida real eles moraram lá por apenas cinco anos. Em 1879, a família se mudou para De Smet, na Dakota do Sul, onde passou o resto da vida. Nesta época, Laura tinha cerca de treze anos de idade. Quando ela se casou, Laura e o marido foram morar na Flórida e depois no Missouri.

Continua após a publicidade

Pioneer Girl contará com mais de cem fotos reunidas pela editora após uma extensa pesquisa histórica. Visto que a obra retrata a passagem da família por diversos locais, ela trará mapas da época e anotações feitas por Pamela Smith Hill, biógrafa de Laura.

Apesar do belo retrato de uma família e seus valores, a maior contribuição da autobiografia de Laura (seja em sua versão amena ou na realista) é riqueza de detalhes que ela oferece sobre a rotina de uma cidade. A obra é capaz de oferecer aos curiosos e aos historiadores uma visão cultural de como era a vida no interior dos EUA, no final do Século XIX.

Atualmente, a série Os Pioneiros é exibida pelo canal TCM.

Cliquem nas duas primeiras fotos. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.