Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Tela Plana

Por Kelly Miyashiro
Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming
Continua após publicidade

“Tolkien é atemporal”, diz J.A. Bayona, diretor de ‘Os Anéis de Poder’

O cineasta espanhol fala da experiência de conduzir a série bilionária da Amazon e celebra a força do autor inglês e da fantasia no mundo atual

Por Raquel Carneiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 12h15 - Publicado em 9 set 2022, 06h00

Os Anéis de Poder, nova superprodução do Prime Video, da Amazon, retrata um mundo baseado nos apêndices da trilogia O Senhor dos Anéis, de J.R.R. Tolkien. Quais os desafios para dar forma a esse universo de um jeito original, mas fiel à visão do autor? Esse desafio foi parte do que me atraiu no projeto. A base deixada por Tolkien é muito sólida e consistente, pois o conteúdo dos apêndices de O Senhor dos Anéis deu início aos eventos principais da série. Como fã, foi uma delícia retratar cenários visualmente inéditos. É o caso do Khazad-dûm, lar dos anões no interior de uma montanha. Ele estava em ruínas na trilogia adaptada nos cinemas por Peter Jackson, mas na série surge em seu ápice.

Seu currículo tem desde terror sobrenatural, caso do ótimo O Orfanato, até superproduções hollywoodianas como Jurassic World, todos com um pé na fantasia. Por que o interesse pelo gênero? A fantasia é uma lente eficaz para retratar a realidade. Ela funciona como um espelho no qual podemos enxergar nossa humanidade e a sociedade de forma mais clara. Tolkien foi uma inspiração que me fez gostar desse gênero e, agora, vejo que minhas experiências anteriores me prepararam para essa série.

Ter um orçamento de 1 bilhão de dólares deve facilitar o trabalho, não? É muito bacana ter cenários enormes e uma estrutura invejável, mas, no fim das contas, a pressão vem da qualidade da narrativa. Uma história bem construída e um bom roteiro são essenciais seja lá qual for o orçamento.

Ao contrário dos filmes de Peter Jackson, o elenco da série é bem diverso. Foi uma escolha feita para atender à correção política? Nós escolhemos os atores certos para cada personagem, não estávamos procurando por uma cor ou nacionalidade específica. O processo de testes foi muito longo e os escolhidos se encaixaram bem no que os personagens exigiam.

Continua após a publicidade

Como responde aos ataques racistas sofridos por atores do elenco, vindos de fãs ferrenhos de Tolkien? Quem lê Tolkien, de fato, nota que ele celebra a diversidade. No final da história, a paz foi uma celebração de todas as raças se unindo para combater o mal. A mensagem do autor é sobre os sacrifícios feitos para combater a ascensão do mal, do autoritarismo e da repressão. E isso se relaciona com nosso tempo hoje — e com esses ataques, por exemplo. Mesmo escrita há mais de setenta anos, a obra de Tolkien é atemporal.

Publicado em VEJA de 14 de setembro de 2022, edição nº 2806

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.