Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Tela Plana

Por Kelly Miyashiro
Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming
Continua após publicidade

‘Pachinko’ ilumina o incrível mundo das novelas orientais

Folhetins conhecidos como “doramas” ganham rápido alcance no planeta

Por Isabela Boscov, Raquel Carneiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 12h23 - Publicado em 25 mar 2022, 06h00

O Brasil, com razão, tem orgulho de suas novelas — uma tradição narrativa tão específica dos temas, ritmos e linguajares do país, e ao mesmo tempo tão apta a cruzar fronteiras e virar hábito e influência cultural além delas. Substitua-se agora “Brasil” por “Coreia do Sul”, e multipliquem-se o alcance e o impacto associados à palavra “novela”: eis o “dorama”, a vertente de produção que mais rapidamente ganha território em todo o mundo. Não só a quantidade e diversidade de doramas, porém, aumentam dia após dia nas plataformas de streaming (conheça alguns sucessos do gênero na pág. 82). Também o prestígio deles entre o público e a crítica vem crescendo de modo vertiginoso — um quesito em que Pachinko (Coreia do Sul/Estados Unidos/Canadá, 2022) já estreia com destaque absoluto. Tão ambiciosa quanto envolvente e tocante — além de magistralmente fotografada —, a série adaptada do best-seller de Min Jin Lee abarca a vida de três gerações da mesma família, começando na Coreia do início da ocupação japonesa (1910-1945) e avançando até o Japão rico e volátil de 1989.

LONGO TRAJETO - Yuh-jung Youn como a Sunja idosa: acaso e escolha -
LONGO TRAJETO - Yuh-jung Youn como a Sunja idosa: acaso e escolha – (Apple TV+/Divulgação)

Pachinko

Protagonizada por um elenco excelente e carismático, e criada e dirigida pelo americanos-coreanos Justin Chong e Kogonada, Pachinko é tanto “dorama” — uma generalização para todo folhetim de origem asiática — quanto “k-drama”, termo que designa a hoje dominante produção da Coreia do Sul. Com uma primeira temporada de oito episódios (há material no livro de Lee para pelo menos uma segunda leva), a série produzida e disponibilizada pela Apple TV+ reúne características de várias linhagens típicas do gênero. É um melodrama de alta estirpe mas é, sim, um melodrama. É em boa parte uma produção — belíssima — de época. Trata de dilemas sociais profundos, como muitos doramas de ambientação contemporânea. E, como tantos outros, entretece os dramas dos personagens em eventos históricos.

Heirs (2013)Park Shin-Hye and Lee Min-Ho in Sangsogjadeul (2013)PeoplePark Shin-Hye, Lee Min-HoTitlesHeirs, The Continuity of Sweet Love
HERDEIROS – Jovens coreanos ricaços têm suas relações afetadas pela grana farta.
A telenovela está na Netflix e no oriental Kocowa – (./Divulgação)

A vegetariana

Continua após a publicidade

Pachinko, aliás, vai mais além: seu tema central é a pressão que a história com “H” maiúsculo exerce sobre a trajetória de Sunja, menina nascida de pais miseráveis na Coreia humilhada e catastroficamente empobrecida pelo domínio japonês, e a maneira como as escolhas de Sunja frente aos grandes acontecimentos — a expansão imperial japonesa, a II Guerra, as bombas atômicas de Hiroshima e Nagasaki, a Guerra da Coreia e a divisão do país — determina muito do percurso também de seus descendentes.

Guardian: The Lonely and Great God (2016)PeopleGong Yoo, Lee Dong-Wook, Kim Go-eunTitlesGuardian: The Lonely and Great God, I Have to End My Life© tvN
GOBLIN – Um guerreiro coreano do século X se torna um ser imortal que, no futuro, se cansa da vida eterna. Disponível no site Viki – (./Divulgação)

Ao contrário do livro de Lee, que faz esse trajeto pela ordem cronológica, a série se reveza constantemente entre suas várias linhas temporais, justapondo a Sunja da infância (a irresistível Yu-na Jeon) à da juventude (Minha Kim) e à da velhice (Yuh-jung Youn, a ganhadora do Oscar de coadjuvante por Minari), e sobrepondo também causas e consequências — o amor proibido com o gângster colaborador dos japoneses Hansu Koh (Min-­ho Lee), que obriga Sunja a deixar seu vilarejo de pescadores rumo ao Japão; o despertar político que a mudança de país provoca no marido que a socorreu da vergonha (Steve Sang-Hyun Noh); e o futuro que essa conjunção de fatores forja para seu filho, Mozasu (Soji Arai), e para seu neto, Solomon (Jin Ha), um jovem e agressivo investidor que transita entre as culturas americana, japonesa e coreana sentindo-se um estranho em todas elas.

SWITCHED - A minissérie japonesa na Netflix une o clichê cômico da troca de corpos ao horror para narrar conflito adolescente -
SWITCHED – A minissérie japonesa na Netflix une o clichê cômico da troca de corpos ao horror para narrar conflito adolescente – (./Divulgação)

Atos humanos

Continua após a publicidade

O próprio nome da série, aliás, anuncia essa conjunção entre acaso e escolha a partir da qual Sunja e os outros personagens, sobretudo o trágico Hansu, vão abrindo seu caminho. Os salões de pachinko — uma combinação de pinball e caça-níqueis muito popular no Japão — como aquele com que Mozasu sustenta a família são notórios por adulterar as máquinas para diminuir as chances dos jogadores, que dependem ainda em maior grau, portanto, da sorte e da habilidade para ganhar suas apostas. (O salão de Mozasu é, também, o cenário da gloriosa sequência de créditos da série.)

POUSANDO NO AMOR - Jovem da Coreia do Sul cai de parapente no vizinho do Norte, e se apaixona por militar inimigo em romance da Netflix -
POUSANDO NO AMOR – Jovem da Coreia do Sul cai de parapente no vizinho do Norte, e se apaixona por militar inimigo em romance da Netflix – (Lim Hyo Seon/Netflix)

Os doramas são um fenômeno mundial: só no ano passado, a Netflix investiu 500 milhões de dólares na produção da Coreia do Sul, e plataformas exclusivas se popularizaram pelo mundo. Canais de vídeo sob demanda (VOD) como o Crunchyroll, forte em animes, o tailandês Line TV e o Kocowa, voltado para dramas e reality shows sul-coreanos, atraem legiões de “dorameiros”. O serviço de streaming Rakuten Viki, por exemplo, abriga variadas telenovelas asiáticas e possui mais de 27 milhões de usuários, e o Brasil já está entre os cinco países que mais acessam o site. Em que pesem as diferenças de idioma, culinária, modos e cultura, brasileiros e asiáticos têm uma paixão em comum: somos todos noveleiros.

Publicado em VEJA de 30 de março de 2022, edição nº 2782

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

Pachinko
Pachinko
A vegetariana
A vegetariana
Atos humanos
Atos humanos

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.