Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Sobre Palavras Por Sérgio Rodrigues Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.

Por que dizemos ‘terceirizar’?

“Por que se fala em ‘terceirizar’ serviços? Minha dúvida não é sobre a prática tão comum na economia de hoje, mas sobre o número mesmo. O que o ‘terceiro’ tem a ver com isso?” (Alexandre Simões) O substantivo “terceirização” é um neologismo brasileiro relativamente recente: o Houaiss fixa a data de 1991 para seu primeiro […]

Por Sérgio Rodrigues Atualizado em 31 jul 2020, 01h41 - Publicado em 6 abr 2015, 16h48

“Por que se fala em ‘terceirizar’ serviços? Minha dúvida não é sobre a prática tão comum na economia de hoje, mas sobre o número mesmo. O que o ‘terceiro’ tem a ver com isso?” (Alexandre Simões)

O substantivo “terceirização” é um neologismo brasileiro relativamente recente: o Houaiss fixa a data de 1991 para seu primeiro registro escrito, a mesma do verbo “terceirizar” e do adjetivo “terceirizado”. Surgiu como tradução engenhosa e sucinta do inglês outsourcing.

A própria definição que o Houaiss apresenta de “terceirização” ajuda a esclarecer a dúvida de Alexandre:

1. forma de organização estrutural que permite a uma empresa transferir a outra suas atividades-meio, proporcionando maior disponibilidade de recursos para sua atividade-fim, reduzindo a estrutura operacional, diminuindo os custos, economizando recursos e desburocratizando a administração;

2. contratação de terceiros, por parte de uma empresa, para a realização de atividades geralmente não essenciais, visando à racionalização de custos, à economia de recursos e à desburocratização administrativa.

“Contratação de terceiros”, pois é. Se o neologismo administrativo data da última década do século passado, é bem mais antiga a acepção, inclusive jurídica, de “terceiro” como “outro, pessoa que está do lado de fora de uma relação” – no caso, a relação de trabalho entre a dita empresa e seus funcionários.

O gramático Domingos Paschoal Cegalla levanta uma hipótese diferente ao dizer que o neologismo se baseou, “provavelmente, no chamado terceiro setor básico, ou setor terciário, da economia de um país, que engloba serviços em geral”. Diante do exposto no parágrafo anterior, porém, recorrer ao “setor terciário” parece no mínimo desnecessário para dar conta do sentido corrente de “terceirizar”.

*

Envie sua dúvida sobre palavra, expressão, dito popular, gramática etc. Às segundas, quartas e quintas-feiras o colunista responde ao leitor na seção Consultório. E-mail: sobrepalavras@todoprosa.com.br

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês