Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Sobre Palavras

Por Sérgio Rodrigues
Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.
Continua após publicidade

O nepotismo e o vaivém do Senado

O vaivém do Senado, que aprovou na quarta-feira uma PEC quase igual à que tinha rejeitado um dia antes, garantiu para o substantivo nepotismo o posto de Palavra da semana: ainda dependente de votação na Câmara, o projeto aprovado reduz de dois para um o número de suplentes de cada senador e proíbe que seus […]

Por Sérgio Rodrigues
Atualizado em 31 jul 2020, 05h47 - Publicado em 12 jul 2013, 17h15

O vaivém do Senado, que aprovou na quarta-feira uma PEC quase igual à que tinha rejeitado um dia antes, garantiu para o substantivo nepotismo o posto de Palavra da semana: ainda dependente de votação na Câmara, o projeto aprovado reduz de dois para um o número de suplentes de cada senador e proíbe que seus parentes (até o segundo grau) sejam escalados nessa posição.

É a segunda vez que o vocábulo nepotismo chega ao alto do pódio semanal da coluna. Há cerca de um ano e meio, a propósito da parentada do ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra, escrevi aqui o seguinte:

A palavra existe em português desde o século XVIII, o que significa dizer que por muito tempo a prática vicejou sem nome por todos os cantos da maior das colônias portuguesas, impulsionada pelo escravagismo, pelo patrimonialismo e pelo predomínio da ética do favor sobre a ética do trabalho. Descende – provavelmente após uma tabelinha com o termo francês nepotisme (1653), que por sua vez tinha ido buscá-lo no italiano nepotismo – do latim nepos, nepotis, um vocábulo que guarda certa margem de ambiguidade: pode significar tanto “sobrinho” quanto “neto”.

De todo modo, historicamente, nepotismo surgiu na língua italiana para designar o regime de privilégios usufruído na hierarquia da Igreja Católica pelos sobrinhos de certos papas – sobrinhos e não netos, porque, pelo menos teoricamente, papas não deviam tê-los. No início do século XIX, a palavra já era empregada em sentido mais amplo, para denunciar o favorecimento a parentes de poderosos fora da Igreja também.

Desde então, encontrei leitores que me perguntaram se havia alguma conotação picante nessa história de “sobrinho do papa” – sobrinho, como se sabe, é uma palavra empregada eufemisticamente para designar um amante (homossexual) mais jovem. Não parece ser o caso. O nepotismo reinante no Vaticano na Idade Média aplicava-se mesmo aos parentes dos papas, que eram feitos cardeais sem qualquer consideração por mérito – e em alguns casos acabavam chegando eles mesmos ao papado. A bula papal Romanum decet pontificem, de Inocêncio XII, pôs fim à farra em 1692.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.