Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Sobre Palavras Por Sérgio Rodrigues Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.

O adjetivo ‘massivo’ existe?

“Encontro o tempo todo na mídia, até mesmo na companhia de assinaturas ilustres, a palavra ‘massivo’; constato, contudo, que esta simplesmente não existe nos dicionários. O que está acontecendo? Um complô para a criação de uma palavra que nunca existiu?” (Pedro Gadelha) O que está acontecendo, Pedro, é a importação de uma palavra que, tudo […]

Por Sérgio Rodrigues Atualizado em 31 jul 2020, 05h02 - Publicado em 7 nov 2013, 11h36

“Encontro o tempo todo na mídia, até mesmo na companhia de assinaturas ilustres, a palavra ‘massivo’; constato, contudo, que esta simplesmente não existe nos dicionários. O que está acontecendo? Um complô para a criação de uma palavra que nunca existiu?” (Pedro Gadelha)

O que está acontecendo, Pedro, é a importação de uma palavra que, tudo indica, os dicionários serão forçados a chancelar em breve. Vamos deixar de lado por um instante a questão da necessidade – ou gratuidade – dessa importação para examinar o processo em si.

É provável que o adjetivo massivo seja um anglicismo, uma aclimatação de massive, vocábulo do idioma de Miley Cyrus. Se digo que isso é provável, e não certo, é porque também seria possível buscar sua origem no francês massif – que, diga-se de passagem, é a matriz do massive inglês. No entanto, a geopolítica linguística de nossa época aponta mesmo para um anglicismo.

Massive, já se vê, é um descendente do latim massa, isto é, “monte, o todo, a totalidade”. Em português, derivamos da mesma raiz latina um adjetivo que existe desde o século XIV: maciço. Em todas as suas acepções, maciço é a tradução perfeita de massive.

Em tese, o fato de termos um vocábulo como maciço nos dispensaria de importar massive. Gostemos disso ou não, porém, a existência de boas alternativas vernaculares não impede idioma nenhum de acolher palavras estrangeiras. As razões para isso são variadas e muitas vezes imponderáveis. Quaisquer que sejam elas neste caso, parece estar em curso um processo de encolhimento do sentido de maciço.

Na acepção de “feito de matéria compacta; sem partes ocas, nem agregadas”, nenhum falante de português substituiria maciço por massivo. Não ainda, pelo menos. Diz-se que uma corrente é de ouro maciço, não massivo. No entanto, em outras acepções – como “encorpado, massudo; produzido em grande quantidade; intenso; que concerne a um grande número de pessoas” –, o estrangeirismo está fazendo carreira. Trata-se de uma constatação e não de um juízo de valor.

O fato de massivo frequentar com desenvoltura textos de bons jornalistas, como aponta o leitor, é significativo. Parece provável que nossos principais dicionários venham a lhe abrir as portas em breve. O “Dicionário de usos do português do Brasil”, de Francisco S. Borba, já o fez.

*

Envie sua dúvida sobre palavra, expressão, dito popular, gramática etc. Às segundas e quintas-feiras o colunista responde ao leitor na seção Consultório. E-mail: sobrepalavras@todoprosa.com.br

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês