Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Sobre Palavras Por Sérgio Rodrigues Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.

Ivan e o Bananão

O cronista Ivan Lessa, que morreu em Londres na sexta-feira, aos 77 anos, só chamava de Bananão o Brasil, país do qual se autoexilou em Londres em 1978 e ao qual voltou uma única vez, a trabalho, a convite da revista “piauí”, em 2006. Por que Bananão? A referência mais óbvia é a uma imensa […]

Por Sérgio Rodrigues Atualizado em 31 jul 2020, 08h39 - Publicado em 10 jun 2012, 14h15

O cronista Ivan Lessa, que morreu em Londres na sexta-feira, aos 77 anos, só chamava de Bananão o Brasil, país do qual se autoexilou em Londres em 1978 e ao qual voltou uma única vez, a trabalho, a convite da revista “piauí”, em 2006.

Por que Bananão? A referência mais óbvia é a uma imensa “república das bananas”, nome pejorativo de um daqueles paisecos da América Central que, durante grande parte do século 20, tiveram economias dependentes da monocultura bananosa e políticos manipulados com cordinhas pela multinacional americana United Fruits. Mas essa pode ser só a casca, que no caso da banana, como se sabe, provoca tombos de filme mudo. O que mais haveria nesse Bananão de Carmen Miranda?

Lá no centro da fruta-ícone nacional, bem no miolo do miolo, vamos encontrar o que Ivan chamava de “mistério brasileiro”, matéria dolorosa e enigmática feita de grandeza pisada, astros ilusórios que na verdade são luzinhas projetadas pela lua que fura o zinco. Antes disso, porém, há outras camadas que não convém negligenciar. Como o sentido ofensivo da gíria banana – de pessoa fraca, molenga, pusilânime, sem iniciativa – e ainda o do gesto insultuoso com o braço dobrado que o próprio Ivan, com o despeito dos amantes desprezados, fez ao pegar aquele avião para Heathrow e ir morar para sempre num Rio de Janeiro puramente imaginário, lembrado ou recriado, uma cidade que àquela altura já não existia e talvez nunca tivesse existido.

Havia carinho também no apelido, com certeza, mas o Brasilzão deu o troco dirigindo-lhe outra banana e passando perto de esquecer por completo seu cronista mais idiossincrático, estilisticamente brilhante e ferozmente engraçado. Politicamente incorreto? Isso vai sem dizer. Uma das burrices nacionais que levaram Ivan a virar um londrino de bengala e sobretudo foi a nossa mania, cada vez mais saidinha, de achar que a inteligência – inseparável do senso de indignação moral, embora isso muita gente não entenda – pode se subordinar a conveniências políticas sem virar burrice.

E assim, embora Ivan Lessa nunca tenha trabalhado no ramo das explicações, muito pelo contrário, o Brasil vai se tornando cada vez mais difícil de entender. Fica a saudade, também aumentativa, que ele cultivou como ninguém.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)