Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Sobre Palavras Por Sérgio Rodrigues Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.

Está certo falar na ‘suba’ do mercado?

“No agronegócio, ouve-se: ‘Com a suba do mercado, nesta semana…’. Existe ‘suba’ no contexto acima? Entendo que se poderia usar: ‘Para que o mercado suba…’. Abraço.” (Vital Antonio Santin) Caro Vital, eu já estava pronto a declarar a não-existência do substantivo “suba”, palavra da qual soube por você, mas fui salvo pelo Houaiss. O único […]

Por Sérgio Rodrigues Atualizado em 31 jul 2020, 02h38 - Publicado em 17 nov 2014, 16h09

“No agronegócio, ouve-se: ‘Com a suba do mercado, nesta semana…’. Existe ‘suba’ no contexto acima? Entendo que se poderia usar: ‘Para que o mercado suba…’. Abraço.” (Vital Antonio Santin)

Caro Vital, eu já estava pronto a declarar a não-existência do substantivo “suba”, palavra da qual soube por você, mas fui salvo pelo Houaiss. O único dicionário que registra o termo, entre os muitos que consultei, sustenta que “suba” é um regionalismo gaúcho informal – ou seja, uma espécie de gíria – que significa “alta de preços”. Como regionalismos são matéria complexa, não me surpreenderia descobrir que seu uso não se restringe à fala sulista.

“Suba” é também, como se sabe, a forma que assume o verbo “subir” na terceira pessoa do imperativo (“Se quiser pegar a manga, suba na árvore!”) e na primeira e na terceira pessoa do presente do subjuntivo (“para que eu suba/para que ele suba…”).

O substantivo, porém, não tem a ver com isso. É formado por derivação regressiva a partir do verbo “subir”, o mesmo processo pelo qual se fez o substantivo “recuo” do verbo “recuar” e o substantivo “compra” do verbo “comprar”, entre muitos outros vocábulos. Note-se que, com um sentido semelhante – mas não restrito a preços – de “ato ou efeito de subir”, usa-se com mais frequência a palavra “subida”.

Naturalmente, “suba” não é termo de circulação geral nem deve ser empregado em contextos formais ou elegantes. Mas que existe, existe.

*

Envie sua dúvida sobre palavra, expressão, dito popular, gramática etc. Às segundas, quartas e quintas-feiras o colunista responde ao leitor na seção Consultório. E-mail: sobrepalavras@todoprosa.com.br (favor escrever “Consultório” no campo de assunto).

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês