Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Sobre Palavras Por Sérgio Rodrigues Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.

Crise: perigo, oportunidade e… papo furado

A palavra crise chegou ao português no século XVIII, a princípio no vocabulário da medicina, para designar o momento na evolução de uma doença em que ela se define entre o agravamento – e a morte – ou a cura – e a vida. O vocábulo vinha do latim crisis, “momento decisivo”, decalque do grego […]

Por Sérgio Rodrigues Atualizado em 31 jul 2020, 05h22 - Publicado em 18 set 2013, 16h27

A palavra crise chegou ao português no século XVIII, a princípio no vocabulário da medicina, para designar o momento na evolução de uma doença em que ela se define entre o agravamento – e a morte – ou a cura – e a vida. O vocábulo vinha do latim crisis, “momento decisivo”, decalque do grego krísis, “decisão”, que Hipócrates, chamado de “pai da medicina”, já empregava com esse sentido. (A ideia de decisão, de separar o bom do ruim, explica que o crítico de arte seja chamado assim.)

De acordo com o Houaiss, foi só no século XIX que a palavra passou a ter amplo emprego no vocabulário da economia, embora o dicionário de Douglas Harper afirme haver registros do uso do inglês crisis fora da terminologia médica – para nomear diversas “doenças” figuradas – desde o século XVII.

De todo modo, a lenda etimológica que acompanha a crise como uma sombra não se relaciona ao vocábulo português, que tem uma história bem clara, e sim ao termo chinês correspondente a ele. Quase todo mundo já ouviu essa história, um mito contemporâneo especialmente caro a consultores e palestrantes: o chinês weiji, “crise”, seria um ideograma formado pela junção de dois outros – um negativo, “perigo” (wei), e um positivo, “oportunidade, ocasião propícia” (ji).

Ou seja, cabe a cada um de nós pegar o limão e fazer uma limonada.

Dizem que o presidente americano John Kennedy (foto, 1917-1963) foi o maior propagador dessa pérola da tal “milenar sabedoria chinesa”, usando-a em seus discursos para levantar o ânimo do eleitor e demonstrar que crises também têm um lado bom. Uma pérola que, infelizmente, tudo indica ser tão falsa quanto as de um colar de camelô made in China.

Acadêmicos de mandarim observam que, embora signifique mesmo oportunidade quando se junta a hui para formar jihui, o ideograma ji está longe de ter conotação positiva ao ser tomado isoladamente. Entre os sentidos que pode assumir está o de “momento crucial”. Ou seja, “momento crucial de perigo” – e não “perigo e oportunidade” – seria a tradução literal de weiji.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)