Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Sobre Palavras Por Sérgio Rodrigues Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.

Bilhão: mil milhões ou um milhão de milhões?

Em quantos bilhões nada esse pato? Bom, depende… “Por favor, explique melhor a diferença entre a acepção brasileira e a internacional de ‘bilhão’. Sou tradutora e leio diariamente diversos jornais estrangeiros online e sempre me confundo.” (Kirsten Woltmann) Vamos começar situando a dúvida de Kirsten: ela se refere a algo que escrevi aqui na semana […]

Por Sérgio Rodrigues Atualizado em 31 jul 2020, 03h23 - Publicado em 30 jul 2014, 11h29

Em quantos bilhões nada esse pato? Bom, depende...

Em quantos bilhões nada esse pato? Bom, depende…

“Por favor, explique melhor a diferença entre a acepção brasileira e a internacional de ‘bilhão’. Sou tradutora e leio diariamente diversos jornais estrangeiros online e sempre me confundo.” (Kirsten Woltmann)

Vamos começar situando a dúvida de Kirsten: ela se refere a algo que escrevi aqui na semana passada, quando afirmei que o prefixo “nano”, de origem latina, pode ter o sentido preciso um bilionésimo – “levando-se em conta a acepção brasileira de bilhão”, expliquei, “não a internacional”.

A tal acepção “brasileira” de bilhão, que na verdade é usada também nos EUA e em outros países, considera esse numeral equivalente a mil milhões. Na maior parte do mundo, um bilhão corresponde a um milhão de milhões.

Continua após a publicidade

A diferença é de três zeros: em vez de 1 seguido de nove zeros, ou 109, como no Brasil, o bilhão francês, inglês ou alemão tem doze zeros, equivalendo a 1012. Como se vê, longe de ser um detalhe desprezível, trata-se de uma discrepância abissal que pode provocar mal-entendidos sérios.

A confusão vem de longe. A palavra (então grafada byllion) surgiu no francês em fins do século XV como “alteração arbitrária de million”, segundo o Trésor de la Langue Française. Pelos séculos seguintes, seu sentido original de “um milhão de milhões” alternou-se no idioma natal com o de “mil milhões”.

Em 1949, a IX Conferência Internacional de Pesos e Medidas, realizada em Paris, tentou acabar com a bagunça aprovando a chamada “regra dos 6N”, segundo a qual são necessários seis zeros – e não três – para passar do milhão ao bilhão, mais seis para ir do bilhão ao trilhão e assim por diante. Naturalmente, a discrepância numérica entre as duas nomenclaturas cresce na proporção da grandeza: como lembra o Houaiss, o quatrilhão dos seguidores dos 6N (1024) é chamado por aqui de septilhão.

O Brasil e os EUA também estavam entre os signatários da convenção de 1949, mas no caso deles a regra não colou. Hoje, por influência americana, até no inglês britânico a cizânia vai se instalando.

*

Envie sua dúvida sobre palavra, expressão, dito popular, gramática etc. Às segundas, quartas e quintas-feiras o colunista responde ao leitor na seção Consultório. E-mail: sobrepalavras@todoprosa.com.br

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês