Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Sobre Palavras

Por Sérgio Rodrigues
Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.
Continua após publicidade

A greve e a greve dos metroviários

Assembleia dos metroviários, ontem (Paulo Lopes/Futura Press/Folhapress) Numa semana em que a vida dos paulistanos sofreu profundamente o impacto da paralisação dos metroviários, a palavra escolhida como a de maior destaque pela coluna – greve, claro – tem raízes francesas. Segundo o referencial Trésor de la Langue Française, o termo grève ganhou seu primeiro registro […]

Por Sérgio Rodrigues
Atualizado em 31 jul 2020, 03h43 - Publicado em 6 jun 2014, 17h00
Assembleia dos metroviários, ontem (Paulo Lopes/Futura Press/Folhapress)

Assembleia dos metroviários, ontem (Paulo Lopes/Futura Press/Folhapress)

Numa semana em que a vida dos paulistanos sofreu profundamente o impacto da paralisação dos metroviários, a palavra escolhida como a de maior destaque pela coluna – greve, claro – tem raízes francesas.

Segundo o referencial Trésor de la Langue Française, o termo grève ganhou seu primeiro registro no século XII, mas seu sentido ainda era bem diferente então: “terreno plano, geralmente de areia e cascalho, localizado à beira-rio ou beira-mar; praia”.

Não, nada a ver com trabalhadores que aproveitam a greve para ir à praia. O caminho de grève até a acepção que o português acabaria por importar envolveu dois passos. No primeiro, o substantivo comum virou nome próprio ao batizar uma praça de Paris, em frente à sede da administração municipal (hoje Place de l’Hôtel-de-Ville), em referência a seu piso arenoso e ao fato de ficar às margens do Sena.

Continua após a publicidade

Até então não havia sinal de luta trabalhista na palavra. Ocorre que a Place de Grève virou ponto de reunião de trabalhadores desempregados, à espera de uma contratação temporária – uma espécie de banco de mão de obra ociosa. Aquele monte de homens de braços cruzados acabaria inspirando o segundo e decisivo passo na expansão semântica do vocábulo.

Data de 1805 o primeiro registro da expressão faire grève (“fazer greve”), com o sentido de paralisar os trabalhos, segundo o mesmo TLF. Cerca de setenta anos depois o termo greve estreava num dicionário de nosso idioma, o do frei Domingos Vieira.

Os puristas se escandalizaram com esse empréstimo, claro, como é próprio dos puristas. Propuseram trocar o galicismo pelo vernacular “parede”, que segundo o Houaiss chegou a ter boa circulação no Brasil até as primeiras décadas do século XX. No fim, perderam a guerra.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.