Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Ricardo Rangel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Continua após publicidade

Uma briga com Valdemar terá final infeliz para Bolsonaro

Briga entre fanático e pragmático é um filme que a gente viu em 2019

Por Ricardo Rangel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
16 jan 2024, 10h58

Bolsonaro andou se estranhando com Valdemar Costa Neto, mandachuva de seu partido, o PL.

É que Valdemar andou fazendo uns elogios a Lula, o que é pecado. E foram maiores do que os feitos a Bolsonaro, o que é pecado mortal.

Sem mencionar o nome de Valdemar, Bolsonaro, disse que “se continuar assim, vai implodir o partido” — uma clara ameaça de ele mesmo implodir o partido, isto é, sair do PL levando consigo seus acólitos.

Um dos acólitos, o deputado Bibo Nunes, fez coro ao faniquito do chefe. Disse que “Lula é uma mosca e Bolsonaro é uma águia. E águia não caça mosca”. Não sei, não. Daqui da planície, o que se vê é a águia permanentemente à caça de moscas (sejam elas moluscos ou não).

Não é a primeira vez que Bolsonaro se estranha com Valdemar. Não será a última. Bolsonaro é um fanático: tem dificuldade de compreender quais são seus interesses, e não é capaz de sacrificar coisa alguma (só os outros, naturalmente). Valdemar, por outro lado, é um pragmático: sabe perfeitamente quais são seus interesses, e, por eles, é capaz de sacrificar qualquer coisa.

Continua após a publicidade

Nós já vimos esse filme, por sinal. Em 2018, Luciano Bivar, um pragmático, traiu promessas feitas ao Livres (e a seu próprio filho) e abriu seu (nanico) partido, o PSL, para que Bolsonaro fosse candidato. O fanático foi eleito presidente; o pragmático elegeu a maior bancada da Câmara e garantiu a maior verba partidária de que se tinha notícia.

No ano seguinte, Bolsonaro quis assumir o controle das verbas eleitorais de 2020 e Bivar não permitiu. O fanático saiu do partido batendo a porta e anunciando que ia criar um novo partido, o Aliança pelo Brasil.

O pragmático livrou-se do encrenqueiro e ficou com 100% da verba. O partido ficou menor, mas continuou importante, e fundiu-se com o DEM, criando o União Brasil. Bivar assumiu a presidência do novo partido e ficou com a terceira maior fatia do fundo partidário.

O fanático levou consigo metade da bancada do PSL, mas nem um tostão. Não conseguiu montar o tal novo partido. Tentou impugnar a urna pela qual se elegeu várias vezes, mas não conseguiu. Entrou no PL para disputar a reeleição de 2022, tentou fraudar o pleito, mas perdeu assim mesmo. Tentou dar um golpe de Estado, mas perdeu.

Continua após a publicidade

No momento, está inelegível e enfrenta graves dificuldades na Justiça. Sobrevive com um salário a que não faz jus e que deve unicamente à boa vontade do pragmático Valdemar.

Recomenda-se ao fanático que não tente a sorte contra um pragmático novamente.

(Registre-se que conselhos não funcionam bem com fanáticos. Fanáticos são o escorpião da anedota. Pragmáticos, está claro, não são o sapo.)

(Por Ricardo Rangel em 16/01/2024)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.