Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Ricardo Rangel

Simone venceu. O que Doria deve fazer?

“Política não se faz com ódio, pois não é função hepática”, ensinou Ulysses Guimarães

Por Ricardo Rangel Atualizado em 19 Maio 2022, 18h43 - Publicado em 19 Maio 2022, 18h37

Simone Tebet venceu. Não surpreende, foi a única que se comportou como profissional. Jogou quase todo o tempo parada, avançando somente se absolutamente necessário, como quando o machismo reinante na política brasileira tentou relegá-la a vice na chapa de Eduardo Leite. Suavemente, informou: “não vou ser candidata à vice-presidência da República”.

João Doria está indignado, sentindo-se vítima de um ultraje. Errado, não está. Afinal, venceu as prévias, e está sendo cristianizado em praça pública. Por outro lado, as coisas não acontecem por acaso. Doria nunca uniu seu partido, pisou nos calos de metade dos caciques tucanos e fez um jogo pesado nas prévias. Nada disso contaria, no entanto, se o ex-governador de São Paulo estivesse bem nas pesquisas. Mas ele não está.

Se Doria seguir na linha em que está indo, a do confronto, tentando seguir candidato contra tudo e contra todos, o fracasso é certo. O máximo que conseguirá é manter a esperança até julho, quando a convenção da federação PSDB-Cidadania liquidará suas últimas esperanças (se, por um milagre, a candidatura for confirmada, as urnas a enterrarão).

Doria passará à história como o homem que inviabilizou a terceira via e botou Lula e Bolsonaro no segundo turno (se isso é fato ou não, ninguém nunca saberá, mas essa é a versão que vai ficar). Depois disso, o ex-governador de São Paulo será abandonado em um limbo tão grande que poderá representar o fim de sua curta carreira política.

Outra hipótese é engolir a raiva e o orgulho político, adiar o sonho de ser presidente e inverter o jogo. Aderir a Simone de corpo e alma em troca de duas contrapartidas: um ministério importante em um eventual governo Tebet e o fim da reeleição.

Se Doria esfriar a cabeça e parar de raciocinar com o fígado, será bom para todo mundo. Especialmente para ele mesmo.

“Política não se faz com ódio, pois não é função hepática”, ensinou Ulysses Guimarães.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)