Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Ricardo Rangel

Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Continua após publicidade

O que a França de Macron tem a ver com o Brasil de Lula

A extrema direita representa uma ameaça séria, que precisa ser tratada com a devida seriedade

Por Ricardo Rangel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 8 jul 2024, 21h33

No último domingo, os franceses acorreram às urnas e evitaram o desastre. O Reunião Nacional, da extremista de direita Marine Le Pen, que havia vencido no primeiro turno, desta vez ficou em terceiro lugar. A esquerda venceu, seguida pelo grupo de Macron. O alívio entre os democratas foi geral.

Afora o desastre ter sido evitado, no entanto, não há tanto a comemorar — mas muito sobre que refletir. Tanto lá como cá.

Na França, a extrema direita foi derrotada porque formou-se uma frente com gente de todo tipo para evitar o mal maior, Le Pen. Aqui, muita gente que detesta o PT aceitou votar em Lula para evitar o mal maior, Jair Bolsonaro.

Na França, a frente é um saco de gatos que não se entendem bem, e mesmo a esquerda, dividida entre radicais e moderados, não se comunica consigo mesma. Com pouco apoio no Congresso e sem saber bem para onde ir, Macron terá dificuldades para governar.

Aqui, Lula venceu porque obteve um apoio espontâneo de forças democráticas que vão da centro-direita à esquerda independente, sem costura de uma aliança real: não há projeto comum, nem compartilhamento de poder. Lula fez questão de transformar gente importante para sua eleição, como Alckmin, Marina e Simone, em figuras decorativas. Sem apoio no Congresso, Lula tem dificuldades para governar.

Continua após a publicidade

Na França, um dos principais vitoriosos, Jean-Luc Mélenchon, foi para a rua e liderou um coro que entoou a Internacional, o principal hino socialista. Aqui, Lula, que já comemorou a nomeação do “comunista” Flavio Dino para o Supremo, acaba de declarar-se “o povo na presidência”. Não é o tipo de atitude de gente que quer construir pontes.

Cabe aos partidos democráticos desmascarar a extrema direita e mostrar ao eleitorado o perigo que ela representa. A direita democrática deve se afastar do extremismo da direita hidrófoba. A esquerda precisa reconhecer que as duas direitas são diferentes e dialogar com a banda democrática, de forma a barrar a banda podre.

Nenhuma das duas coisas está acontecendo. A direita democrática, com medo de perder votos, se abraçou ao bolsonarismo. A esquerda joga ambas no mesmo balaio extremista, como se fossem idênticas.

A extrema direita, tanto na França no Brasil, continua forte e está em boa medida “normalizada”. Nessas condições, é erro grave acreditar que é possível vencê-la nas urnas indefinidamente. Se as forças democráticas não pararem de brigar entre si, se não trabalharem juntas em prol da democracia, mais cedo ou mais tarde a extrema direita vencerá (no Brasil, de novo).

Continua após a publicidade

É questão de tempo.

“Nossa vitória apenas foi adiada”, declarou Le Pen, lembrando que o partido dobrou seu número de deputados.

(Por Ricardo Rangel em 08/07/2024)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.