Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Ricardo Rangel

Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Continua após publicidade

Lula se estrumbica

O presidente está no terceiro mandato e não aprendeu o bê-á-bá

Por Ricardo Rangel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 5 jul 2024, 16h50 - Publicado em 5 jul 2024, 06h00

O dólar sobe forte desde o início do ano. A economia, aqui e no exterior, não explica a trajetória do real, bem pior do que a de outras moedas.

Fernando Haddad, sutil, deu a dica: “O melhor é acertar a comunicação, tanto em relação à autonomia do Banco Central quanto ao arcabouço fiscal”. “Quem não se comunica se estrumbica”, dizia, menos sutil, Abelardo Chacrinha. Errando na comunicação, Lula estrumbica a si mesmo e a seu governo.

Quando o assunto é dólar, presidente da República só pode dizer o seguinte: “O câmbio é flutuante: ele flutua”. Se o assunto é taxa de juros, pode dizer o seguinte: “O Banco Central é autônomo”. Qualquer coisa diferente gera especulação.

Lula está no terceiro mandato e ainda não aprendeu o bê-á-bá. Critica os juros, ataca o presidente do Banco Central (que não tem mesmo compostura, diga-se), se queixa de que “eu tenho que esperar ele terminar o mandato e indicar alguém”. Sobre o dólar, diz que “não é normal o que está acontecendo (…), que é uma especulação (…), temos que fazer alguma coisa”. Convoca reunião sobre o assunto.

Lula alimenta a especulação que critica. Sem ver o óbvio círculo vicioso, chama de “cretinos” os que associam os soluços do mercado ao que diz.

“Fernando Haddad, sutil, deu a dica: o melhor é acertar a comunicação sobre autonomia do BC e arcabouço fiscal”

Continua após a publicidade

Diante da disparada do dólar na terça 2, Lula recuou. Mas continua com a mesma visão, sem ver o que interessa.

O governo brasileiro gasta demais e gasta mal. Os serviços prioritários, como educação, saúde e segurança são abaixo da crítica e, mesmo assim, a carga tributária, das mais altas do planeta, não paga a conta: o país está sempre pegando dinheiro novo emprestado.

Os grandes sumidouros de dinheiro são conhecidos. A Previdência passou por uma reforma, não deveria ser mais problema, mas é. Intensamente combatida pelo PT, a reforma foi diluída e se tornou insuficiente.

O funcionalismo público é caríssimo: há gente demais, que ganha mais do que a iniciativa privada paga, desfruta de uma estabilidade em geral indevida e de uma Previdência ainda mais deficitária do que o regime geral. A reforma administrativa é urgente.

Há as subvenções tributárias. “De repente, você descobre que tem 546 bilhões de reais em benefício fiscal para os ricos”, disse um Lula “perplexo”. Perplexos ficamos nós, os cretinos: Lula está no terceiro mandato, no cargo há um ano e meio, mas não sabia dos subsídios (boa parte dos quais criada por governos do PT)? E ainda defende subsídio novo para a indústria automotiva?

Continua após a publicidade

E há o custo dos juros da dívida, dos quais Lula tanto reclama. Mas a taxa de juros não é uma decisão arbitrária do Banco Central. Ela é resultado da expectativa de inflação — que decorre em parte da responsabilidade fiscal do governo. Lula gasta mais do que arrecada (a dívida aumenta), demonstra que isso não vai mudar (o juro não cai), o custo da dívida só cresce.

“Não tenho que prestar contas a nenhum ricaço desse país. Tenho que prestar contas ao povo pobre.” Lula não é “o povo na Presidência”, como supõe, mas tem razão. Seu compromisso é acima de tudo com os pobres.

E todos os sumidouros de dinheiro representam transferência de renda de pobres para não pobres.

Publicado em VEJA de 5 de julho de 2024, edição nº 2900

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.