Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Ricardo Rangel

Lula no primeiro turno?

Para conseguir governar, o petista terá de anular bolsonaristas

Por Ricardo Rangel Atualizado em 4 fev 2022, 15h05 - Publicado em 4 fev 2022, 06h00

Mandetta se inviabilizou rápido. Eduardo Leite tropeçou na prévia do PSDB. Doria está sendo abandonado pelo próprio partido. Ciro até hoje não encontrou seu caminho. Moro, após uma largada forte, estacionou. Simone Tebet é vista por alguns com esperança, mas é desconhecida do eleitorado e não une o próprio partido, o MDB, cuja parcela nordestina está com Lula.

Os meses passam e a terceira via não desencanta.

Lula tem lugar garantido no segundo turno e Bolsonaro, com 20% cristalizados, não sofre ameaça. Os petistas preveem vitória no primeiro turno, mas isso não aconteceu nem quando Lula estava no auge da popularidade, é improvável que aconteça agora. Se o cenário não mudar radicalmente, o petista deve vencer — mas só no segundo turno.

Ganhar eleição, porém, é muito mais fácil do que governar, e governar o Brasil entre 2023 e 2026 será mais difícil para Lula do que jamais foi. Fernando Henrique legou ao PT um país arrumado e o PSDB ofereceu uma oposição sem dentes; a herança de Bolsonaro será — esta, sim — maldita: crise econômica e fiscal, com dólar, inflação, juro e desemprego nas alturas.

O bolsonarismo, que antes nem existia, estará vivo e forte e fará uma oposição sistemática e desleal no Congresso, nas ruas e nas redes. Sem aliança ao centro, Lula terá de governar com o Centrão, insaciável depois que obteve o controle do Orçamento. “Todos que governaram com o Centrão se lascaram”, ensinou Ciro Gomes (Lula foi para a cadeia por causa disso e é o exemplo definitivo). A crise para a metade do mandato estará encomendada desde antes da eleição.

Continua após a publicidade

“O bolsonarismo fará uma oposição sistemática e desleal no Congresso, nas ruas e nas redes”

Para garantir que, caso vença, conseguirá governar, Lula deve alcançar dois objetivos que se misturam. Um é vencer no primeiro turno, dando uma demonstração de força capaz de botar uma focinheira no bolsonarismo e outra no Centrão; com tanta legitimidade, até os antipetistas moderados terão menos má vontade. O outro é criar, antes do início da campanha eleitoral, uma aliança com o centro democrático que lhe permita prescindir do Centrão — aliança essa que é também a chave para unir o antibolsonarismo e matar a eleição no primeiro turno.

Se deixar para fazer a aliança ao centro no segundo turno, Lula (e o Brasil) enfrentará problemas em série. Bolsonaro terá quase um mês entre um turno e o outro para criar tumulto e organizar sua resistência. Declarada a derrota, gritará que houve fraude e ordenará seu “ataque ao Capitólio”. O bolsonarismo sairá forte, acreditando na fraude, e não dará trégua ao governo Lula. E se o governo for ruim — sem o apoio ao centro, isso é quase certo — e o bolsonarismo estiver forte, a chance de Bolsonaro ou algum filho voltar em 2026 não é desprezível.

Lula não é bobo, está conversando com gente de todo tipo. Apesar disso, ou por isso mesmo, seu partido radicaliza quanto pode, organiza abaixo-assinado contra Alckmin, inventa propostas econômicas malucas etc. Mas todo mundo sabe que Lula controla o PT: se há vozes se levantando contra o centro, é porque o chefe permite.

Se Lula quer não só vencer, mas também governar em paz, precisa enquadrar sua tigrada. Logo.

Publicado em VEJA de 9 de fevereiro de 2022, edição nº 2775

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)