Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Ricardo Rangel Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Continua após publicidade

A retaguarda do atraso

Na lida com o meio ambiente, o Brasil de Bolsonaro só piorou

Por Ricardo Rangel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 10 jun 2022, 08h28 - Publicado em 10 jun 2022, 06h00

Junho é o mês da conscientização ambiental. No dia 5 se comemorou o Dia Mundial do Meio Ambiente. O Dia Nacional da Educação Ambiental foi dia 3. O Dia Mundial dos Oceanos, 8. Dia 13 é o aniversário do primeiro Jardim Botânico do Brasil. E dia 17 é o Dia Mundial de Combate à Desertificação.

Meio ambiente, como se sabe, é tema no qual o Brasil, dono da maior floresta úmida do mundo, se destaca. De acordo com o Imazon, o desmatamento em 2021, de mais de 10 000 quilômetros quadrados, foi o maior desde 2008: um crescimento de 29% em relação aos mais de 8 000 quilômetros quadrados de 2020 (até então o maior da década). Segundo o Ipam, o desmatamento na Amazônia cresceu 56,6% no governo Bolsonaro. A Amazônia é só o aspecto mais crítico de um problema que alcança todos os biomas do país.

Ninguém deve se surpreender. Desde a posse, Jair Bolsonaro fez de tudo para inviabilizar o combate ao desmatamento. Seu ministro Ricardo Salles demitiu 21 dos 27 superintendentes do Ibama, e nomeou gente que nada entendia do assunto. No ICMBio, substituiu os profissionais da área por PMs. Cortou os orçamentos, engessando os órgãos ambientais. Reduziu o número de analistas e fiscais e aumentou a burocracia. Elogiou madeireiros ilegais (“homens de bem”) que haviam incendiado um caminhão-tanque do Ibama. O Brasil aplica hoje o menor número de multas por crimes ambientais em vinte anos, menos da metade do que já foi.

“A Amazônia é só o aspecto mais crítico de um problema que alcança todos os biomas do país”

Continua após a publicidade

Combater o desmatamento é garantia de exoneração. Ricardo Galvão, do Inpe, caiu porque provou que o desmatamento estava aumentando. O superintendente da PF do Amazonas, Alexandre Saraiva, que apresentou notícia-crime contra Salles por atrapalhar o trabalho da Polícia Federal, foi transferido para o Rio de Janeiro (o ministro ficou onde estava).

No Congresso, o governo garantiu anistia a desmatadores, avançou com o “PL da Grilagem” e aprovou o menor orçamento para proteção de florestas em vinte anos. Bolsonaro hostiliza nações amigas, mentiu na ONU que o Brasil não desmata e, na COP-26, prometeu metas que não pretende cumprir. A narrativa de que os países desenvolvidos seriam os “culpados” pelo aquecimento global caiu: o site Carbon Brief informa que, desde 1850, o Brasil é o quarto maior emissor.

Primeiro de junho foi o Dia da Imprensa e 7, o Dia Nacional da Liberdade de Imprensa. Em 2020, a família Bolsonaro atacou a imprensa 469 vezes; em 2021, foram 331 só no primeiro semestre. Segundo a Federação Nacional dos Jornalistas, em 2021 a Empresa Brasil de Comunicação, órgão governamental, censurou seus jornalistas 138 vezes. Só a ditadura foi mais hostil.

Continua após a publicidade

Quando o indigenista Bruno Pereira e o jornalista Dom Phillips desapareceram na Amazônia, Bolsonaro afirmou que a “aventura” dos dois não era “recomendável”, culpando as vítimas pelo ocorrido. E que “torcia” para que fossem encontrados, como se fosse mero observador. O Exército soltou uma nota vinculando uma missão de busca e salvamento ao “Escalão Superior”, sugerindo que Bolsonaro não teria autorizado a ação.

Em 1985, o deputado Fernando Lyra definiu José Sarney como “vanguarda do atraso”. Era um elogio. Se estivesse vivo, Lyra diria que o Brasil de hoje é a retaguarda do atraso.

Publicado em VEJA de 15 de junho de 2022, edição nº 2793

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.