Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Ricardo Rangel

A chave do combate à violência

O comportamento do presidente estimula os criminosos

Por Ricardo Rangel Atualizado em 27 jun 2022, 11h22 - Publicado em 24 jun 2022, 06h00

A Polícia Federal apura o envolvimento de traficantes de drogas no assassinato de Bruno Pereira e Dom Phillips. Quando os dois desapareceram, o governo federal se fez de morto. Diante da pressão nacional e internacional, Bolsonaro pôs a culpa nas vítimas e o Exército sugeriu que não se mexia porque o presidente não queria.

Iniciadas a busca e a investigação, impressionou a eficiência das autoridades. Em seguida, a PF descartou prematuramente a hipótese de haver mandante; com a grita, voltou a investigar. O governo se move aos espasmos, ao sabor da pressão da opinião pública.

Os militares têm a fixação de que as potências estrangeiras cobiçam a Amazônia, mas preferem combater as urnas eletrônicas a ocupar e defender a região. Quando o Estado não ocupa o território, alguém o faz — no caso, o crime organizado, que, em vez de impor a lei, realiza tráfico internacional de drogas e caça, pesca, garimpo e desmatamento ilegais.

A Amazônia não é o único local onde o Estado deixa de ocupar o território: em áreas urbanas, há regiões inteiras, e até presídios, controlados por traficantes e/ou milícias. Quanto mais tempo se passa, maior o poder dos criminosos, que já estão infiltrados nos três poderes da República.

O Rio de Janeiro é um caso emblemático, espécie de manual sobre como a omissão do Estado e a tolerância da sociedade permitem que o crime organizado prospere. O jogo do bicho é violento, envolve outros crimes e corrompe a polícia, mas por décadas o Estado olhou para o lado e a sociedade celebrou bicheiros assassinos nas colunas sociais e nos programas de TV.

“Bolsonaro defende a tortura, sempre elogiou as milícias, tem um discurso que encoraja desmatamento, garimpo, caça e pesca ilegais”

Continua após a publicidade

Com a ausência do Estado, esquadrões da morte compostos de policiais assassinavam pessoas (criminosas ou não) e eram vistos com simpatia por grande parte da sociedade. O mais notório desses policiais, Mariel Mariscot, namorava atrizes famosas e era tratado como celebridade.

O Estado permitiu que traficantes controlassem comunidades e, por meio de uma política de drogas irracional, os armou até os dentes. Muita gente viu com bons olhos quando as milícias, formadas por PMs e bombeiros, expulsaram os traficantes e impuseram sua própria lei. Mas a lei era a do mais forte, e os milicianos passaram a praticar crimes e extorquir moradores. No estado do Rio, são hoje um problema maior do que o tráfico.

A esquerda fazia vista grossa para a criminalidade, a direita pedia mais violência e o governo federal fingia que não tinha nada com isso. Mas são federais o patrulhamento das fronteiras e das principais rodovias, o controle das armas e toda a legislação penal. A Polícia Militar é um braço do Exército. As facções criminosas se espalham por múltiplos estados.

O Brasil não reduzirá a violência sem a participação ativa do governo federal, mas Bolsonaro está na contramão: defende a tortura, sempre elogiou as milícias, tem um discurso que encoraja desmatamento, garimpo, caça e pesca ilegais (ele próprio foi multado pescando ilegalmente), desmonta a fiscalização etc. etc.

Bolsonaro diz aos crimin osos o seguinte: façam o que quiserem, e dane-se a lei. Não é fácil combater o crime e a violência quando a maior autoridade do país os estimula.

Publicado em VEJA de 29 de junho de 2022, edição nº 2795

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)