Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

Senadores tucanos conseguem criar CPI da Petrobras

Por Christiane Samarco e Eugênia Lopes, no Estadão Online:Os senadores tucanos decidiram voltar do aeroporto de Brasília na quinta à noite e montar uma contraofensiva para conseguir criar a CPI da Petrobras, em um plenário esvaziado nesta sexta-feira, 15, pegando os governistas de surpresa. O senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) leu nesta manhã, em plenário, o […]

Por Reinaldo Azevedo
Atualizado em 31 jul 2020, 17h38 - Publicado em 15 Maio 2009, 15h16
Por Christiane Samarco e Eugênia Lopes, no Estadão Online:
Os senadores tucanos decidiram voltar do aeroporto de Brasília na quinta à noite e montar uma contraofensiva para conseguir criar a CPI da Petrobras, em um plenário esvaziado nesta sexta-feira, 15, pegando os governistas de surpresa. O senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) leu nesta manhã, em plenário, o requerimento para a instalação e criação da comissão. Com a leitura, a instalação da CPI depende da publicação do requerimento para que os líderes façam as indicações dos integrantes.
O primeiro vice-presidente, Marconi Perillo (PSDB-GO) que já estava a caminho de Brasília na quinta à noite, foi encarregado de abrir a sessão desta sexta, às 9 horas, na qualidade de membro da Mesa Diretora.
O senador Arthur Virgílio (PSDB-AM) tomou a palavra e denunciou a “manobra suja e truculenta” feita na véspera, pelo governo, referindo-se à ação da senadora Serys Slhessarenko (PT-MT), que encerrou a sessão do Senado, na quinta à noite, na primeira tentativa dos tucanos de leitura do requerimento de instalação da CPI. Segundo Virgílio o encerramento da sessão foi ilegal, porque ainda não havia terminado o tempo de prorrogação de 60 minutos determinado pelo senador Heráclito Fortes, que presidia a sessão, antes de Serys assumir a Mesa.
Virgílio lembrou que havia oradores inscritos e que por isso o PSDB não aceitava a truculência do governo. A leitura do requerimento foi feita nesta sexta, com a presença de apenas cinco senadores no plenário. Além do presidente da sessão e do orador, Arthur Virgílio compareceram, o presidente nacional do PSDB, Sergio Guerra (PE), o senador Tasso Jereissati e o senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR). O único governista presente foi o senador João Pedro (PT-AM) que, na quinta-feira, tentava pôr panos quentes na discussão acalorada entre Sergio Guerra e Serys.
Mozarildo também discursou, lembrando que ele e o senador Romeu Tuma (SP) , ambos do PTB, assinaram requerimento em favor da CPI e que, portanto a criação da comissão parlamentar de inquérito não era apenas uma iniciativa do DEM e do PSDB. No mesmo tom dos tucanos o petebista observou que o “malefício maior” à Petrobras são as operações da Polícia Federal, e as denúncias de irregularidades na estatal feitas pelo Ministério Público. Além disso Mozarildo lembrou ter recebido incontáveis e-mails de funcionários da Petrobras pedindo que ele participe da CPI.
Após a leitura e criação da CPI, Perillo, informou que a retirada de assinaturas por parte de qualquer dos 32 senadores que assinaram o requerimento somente poderá ser feita até a meia-noite desta sexta. De acordo com a Agência Senado, Virgílio afirmou acreditar que a CPI será instalada. Para ele, não haverá desistências.

Racha
A instalação da comissão rachou a oposição e provocou um bate-boca na quinta-feira, no plenário do Senado, entre senadores do DEM e do PSDB. Enquanto os tucanos exigiam a criação imediata da CPI, o DEM sustentava o acordo fechado com os governistas pela manhã para adiá-la até que o Senado ouça o presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli. No início da noite, o primeiro-secretário, Heráclito Fortes (DEM-PI), presidiu a sessão e se negou a ler o requerimento que cria a CPI. Irritados, os tucanos chegaram a trocar ofensas com Heráclito. Em meio aos ânimos acirrados, a senadora Serys Slhessarenko (PT-MT) pôs fim à polêmica encerrando a sessão.

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.