Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

SEM DECORO E SEM LIMITES

Por Lorenna Rodrigues, na Folha Online. Comento depois. O título acima é meu. O ministro Carlos Minc (Meio Ambiente) reagiu hoje à denúncia feita contra ele pela senadora e presidente da CNA (Confederação Nacional da Agricultura), Kátia Abreu (DEM- TO). “O fato de os ruralistas estarem preocupados com a minha permanência do ministério me faz […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 17h31 - Publicado em 2 jun 2009, 21h21

Por Lorenna Rodrigues, na Folha Online. Comento depois. O título acima é meu.

O ministro Carlos Minc (Meio Ambiente) reagiu hoje à denúncia feita contra ele pela senadora e presidente da CNA (Confederação Nacional da Agricultura), Kátia Abreu (DEM- TO). “O fato de os ruralistas estarem preocupados com a minha permanência do ministério me faz achar que estou no caminho certo”, completou Minc. “Podem me insultar e pedir minha cabeça que vou continuar governando, vou continuar coibindo os vossos crimes ambientais”.

A senadora protocolou denúncia na PGR (Procuradoria Geral da República) denúncia contra o ministro por crime de responsabilidade, após Minc chamar os agricultores de “vigaristas” e afirmar que os ruralistas “fingem defender a agricultura familiar”. Kátia Abreu encaminhou também pedido de demissão do ministro à Comissão de Ética Pública da Presidência.

O ministro atribuiu a denúncia ao desespero dos ruralistas. “Essa tensão começou quando nós impedimos eles [os ruralistas] de esquartejar a legislação brasileira e conseguimos refazer o acordo histórico entre a agricultura familiar e os ambientalistas. A CNA perdeu uma margem que ela tinha de manobra, eles estão desesperados e querem me tirar do governo”, afirmou.

Minc disse que os ruralistas não mandam no país e por isso não determinam quem entra ou sai do governo. “Que me conste, o Brasil é comandado pelo presidente Lula, e não pelos ruralistas. Alias, se tivesse sendo comandado pelos ruralistas, não ia ter Bolsa Família, ia ter Bolsa Latifundiário”, rebateu Minc.

Continua após a publicidade

O ministro, porém, disse que vai procurar a CNA para tentar entrar em um acordo, mas ressaltou que a agricultura familiar terá maiores benefícios.

 

Comento

Acabou o remédio, Minc?

Não é possível que este senhor continue a tratar assim um setor inteiro da economia brasileira. Desesperado está Minc. Ele sabe que substituiu Marina Silva para ser um despachante de licenças ambientais. E cumpriu direitinho o seu papel. Se vocês observarem bem, este homem corajoso não comprou uma só briga com as empreiteiras que estavam à espera das ditas-cujas — algumas delas boas financiadoras de campanhas eleitorais — do PT também, é claro…

Continua após a publicidade

 

Com elas, era coletinho colorido pra cá, coletinho colorido prá lá… Minc decidiu mudar o modelito com os “ruralistas”. Aí botou uma faca chiquérrima na boca e partiu para a luta, sentindo na boca o gosto de sangue — quero dizer, de chá verde. Começo a dar crédito ao boato de que, quando militante da organização terrorista VAR-Palmares, ele era mesmo da viração. O terrorismo vocabular continua. E só para lembrar: o Brasil é comandado pelas leis.

 

Os “ruralistas”, que este irresponsável ataca, responderam, durante largo período, pelo superávit comercial do Brasil, um dos pilares da estabilidade.

 

Alguns trouxas supõem que censurei Minc por ter participado da Marcha da Maconha em razão de preconceito ou, sei lá, moralismo. Besteira! Já então, recuperem o teto, a minha questão era outra: esse sujeito não tem noção de decoro e de limites.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.