Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo

Por Blog
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

O falso lapso de Cabral

Faz tempo que o governador do Rio, Sérgio Cabral, é o preferido do presidente Lula. Por mais que Aécio Neves (SDB-MG) se esforce, Lula deve achar que lhe sobra cálculo e falta amor genuíno. Com Cabral, não. É identidade total. Sem contar que o governador tá doidinho para, como dizer?, assumir desafios maiores do que […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 19h42 - Publicado em 31 mar 2008, 23h22

Faz tempo que o governador do Rio, Sérgio Cabral, é o preferido do presidente Lula. Por mais que Aécio Neves (SDB-MG) se esforce, Lula deve achar que lhe sobra cálculo e falta amor genuíno. Com Cabral, não. É identidade total. Sem contar que o governador tá doidinho para, como dizer?, assumir desafios maiores do que governar o estado, entendem? Parece que, ali, ele já resolveu tudo.

Por que isso? Na tal cerimônia do PAC, ver abaixo, Cabral referiu-se à ministra da Casa Civil como “presidente Dilma”. Parte da imprensa está chamando o gracejo de “ato falho”. Foi o jeito que o governador encontrou de se solidarizar com Dilma sem ter de fazer discursos ou atacar a oposição. Adapta-se, também, digamos assim, ao método Lula de fazer política, em que a banalidade não se distingue da coisa séria.

A frase foi esta: “Este empreendimento também tem a rubrica da presidente Dilma. Opa, eu quis dizer ministra Dilma. Já estou confundindo as bolas aqui”. Qualquer psicanalista diria melhor do que eu:
– presidente e ministra têm sexos distintos; dificilmente o cérebro e Cabral operaria tal troca, a menos que pensasse coisas inconfessáveis;
– desconheço ato falho que seja corrigido assim, tão ligeiro, sem interpor, entre o lapso e correção, nada mais.

Cabral sempre foi visto como um bom vice para a ministra; a depender do caso, titular mesmo, se Lula não conseguir emplacar o seu “braço esquerdo”. A dengue, no Rio, sem dúvida, a tanto o habilita. Quem sabe o “presidente Cabral” indicasse José Gomes Temporão para o Ministério da Saúde. Assim, na pasta, continuaria tudo igual: só mudariam os mosquitos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.