Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

Nossa Caixa, BB e amor por estatais

Leitores estão me cobrando uma opinião sobre a venda da Nossa Caixa para o Banco do Brasil. Há muito petralha disfarçado de liberal me cobrando: “E aí? Porque é o Serra, você não vai protestar contra o gigantismo do estado?” E há, de fato, quem esteja lamentando a inexistência de leilão. Como diria o velho […]

Por Reinaldo Azevedo
Atualizado em 31 jul 2020, 18h33 - Publicado em 21 nov 2008, 15h52
Leitores estão me cobrando uma opinião sobre a venda da Nossa Caixa para o Banco do Brasil. Há muito petralha disfarçado de liberal me cobrando: “E aí? Porque é o Serra, você não vai protestar contra o gigantismo do estado?” E há, de fato, quem esteja lamentando a inexistência de leilão. Como diria o velho masquês, vamos botar ordem na orgia.

Para Serra e para o estado de São Paulo, foi um excelente negócio. O governador terá mais disponibilidade de caixa, para, diz ele, investir em infra-estrutura e na área social. A imprensa que acompanhe para saber se será assim mesmo. No que respeita ao estado, pergunto: por que ele precisa ter banco? Eu sou contra até que a União seja dona de um com características comerciais. Trato disso mais adiante.

E a questão do leilão ou não? Olhem, eu preferiria a Nossa Caixa em mãos privadas – vou pedir a privatização do Banco do Brasil até o fim deste texto… Mas vamos parar com conversa mole. A privatização, em sentido estrito, da Nossa Caixa não sairia da intenção por várias razões, duas das quais:
a) não seria aprovada pela Assembléia Legislativa;
b) daria origem a um verdadeira indústria de liminares:
Resumo da ópera: não aconteceria no governo Serra e em governo nenhum.

Como disse um jovem poeta, muito jovem mesmo, muitos que se dizem liberais, às vezes, “perdem a vida por delicadeza”. Porque pretendem que se faça o ideal, muitas vezes, ignoram que se fez o melhor possível. Adiante.

A cascata de que um leilão poderia pagar o dobro pela Nossa Caixa é puro chute.Até porque, depois que a Justiça determinou que os depósitos judiciais deveriam ficar em banco público – e esse era um dos maiores ativos da Nossa Caixa -, o banco deixou de ser tão atraente para o setor privado. Vale dizer: no processo de venda, os tais depósitos são um ativo para o BB (mas que se note: seriam dele de qualquer maneira), mas são irrelevante para os demais bancos.

Continua após a publicidade

Agora vamos ao Banco do Brasil. Eu vejo com bons olhos o gigantismo do banco e sua determinação de se voltar a ser o maior banco comercial do país? É evidente que não. Quanto maior o estado, maiores as chances de manipulação política e de corrupção na vida pública. Aí diz outro: “Serra quer ser presidente e também ele quer um Banco do Brasil gigante”. Bem, que pretenda ser presidente, parece ser uma aspiração legítima – ou não é? Que conte com um BB gigante, aí não sei. Se essa´é sua intenção, na Presidência ou não, a minha praia é outra. Afinal, das duas uma: ou o BB opera segundo critérios de mercado – e, portanto, não precisa ser do estado -, ou passa a ser instrumento de pirotecnias, e, aí, quem paga a conta é você.

Ademais, gostem ou não este político ou aquele de estatais – e do Banco do Brasil em particular -, ele jamais será privatizado. Por incrível que pareça, a média dos brasileiros acha bacana esse negócio de estatal. Sentem, sei lá, uma espécie de orgulho cretino. E não sabem o quanto isso lhes custa. Democracia, às vezes, é uma coisa chata. Mas não se inventou nem se vai inventar nada melhor. Também nesse caso, cumpre não perder a vida por delicadeza.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.