Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

Marvada Pinga

Capa de um disco de Inezita Barroso Falei no post abaixo em “sordado”, em música brasileira antiga… E num processo, assim, que a psicanálise classifica de “livre associação”, não é que me lembrei da música “Marvada Pinga”, de Laureano, celebrizada na voz de Inezita Barroso, cantora e estudiosa do folclore de São Paulo? A letra […]

Por Reinaldo Azevedo
Atualizado em 31 jul 2020, 23h20 - Publicado em 11 ago 2006, 20h09
Capa de um disco de Inezita Barroso
Falei no post abaixo em “sordado”, em música brasileira antiga… E num processo, assim, que a psicanálise classifica de “livre associação”, não é que me lembrei da música “Marvada Pinga”, de Laureano, celebrizada na voz de Inezita Barroso, cantora e estudiosa do folclore de São Paulo? A letra é uma graça? A parte de que mais gosto é esta: “Num bebo de vez Porque acho feio/ No primeiro gorpe Chego inté no meio/ No segundo trago É que disvaseio, oi lá!”. Reparem: até um bebum ensandecido nos alerta para a necessidade do decoro, entendem? Divirtam-se.
Com a marvada pinga
É que eu me atrapaio
Eu entro na venda
E já dou meu taio
Pego no copo
E dali num saio
Ali mesmo eu bebo
Ali mesmo eu caio
Só prá carregá
É que dou trabaio, ôi lá!

Venho da cidade cantando
Trago um garrafão
Que venho chupando
Venho pros caminhos
Venho tropicando
Chifrando os barranco
Venho cambetiando
E no lugar onde eu caio
Já fico roncando, ôi, lá!

O marido me disse:
Ele me falô
Largue de bebê
Peço por favô prosa de hôme
Nunca dê valô
Bebo com o sol quente
Prá esfriar o calô
E bêbo de noite
É pra fazê suadô, oi lá!

Cada vez que eu caio
Caio deferente
Meaço prá trás
E caio prá frente
Caio devagá
Caio de repente
Vou de corropio
Vou diretamente
Mas sendo de pinga
Eu caio contente, ôi lá!

Pego o garrafão
E já balanceio
Que é prá mode vê
Se está mesmo cheio
Num bebo de vez
Porque acho feio
No primeiro gorpe
Chego inté no meio
No segundo trago
É que disvaseio, oi lá!

Continua após a publicidade

Eu bebo da pinga
Por gosto dela
Eu bebo da pinga branca
Bebo da amarela
Bebo nos copos
Bebo na tigela
Bebo temperada
Com cravo e canela
Seja quarquer tempo
Vai pinga na goela! Ôi lá!

(é marvada pinga)
Eu fui numa festa no rio Tietê
Eu lá fui chegando no amanhecê
Já me déro pinga prá mim bebê
Já me déro pinga prá mim bebê
Tava sem fervê!
Eu bebi demais
E fiquei mamada
Eu cai no chão
E fiquei deitada
Ai, eu fui prá casa
De braço dado
Ai! De braço dado
E com dois sordado!
Ai, muito obrigado!

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.