Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

É claro que Câmara tem de recorrer a embargos de declaração para saber que diabos quer o Supremo

Governo judicializa o impeachment, mas setores da imprensa agora inventam que, se Câmara recorrer, é pura manobra! Tomem tento!!!

Por Reinaldo Azevedo
Atualizado em 30 jul 2020, 23h49 - Publicado em 19 dez 2015, 06h47

Huuummm… Deixem-me ver se entendi. Então o governo pode mobilizar seus bate-paus nos partidos da base e no Supremo; entrar com uma ação no tribunal; estuprar, com a ajuda dos togados, a Constituição; reescrever a Carta Magna e o Regimento da Câmara e do Senado — em meio a troca de elogios —, mas qualquer movimento de resistência a isso não passa de manobra espúria de Eduardo Cunha?

Nós, da imprensa, como categoria, já fomos melhores: quando não estávamos, ainda que eventualmente sem saber, a serviço de um partido e de uma causa.

Eu tenho uma novidade para os coleguinhas. Existe, por exemplo, um troço chamado “embargo de declaração”. A Câmara dos Deputados é parte na causa que foi julgada pelo Supremo. Ou não é?

Alguém sabe, depois do que se votou ali, quando pode e quando pode haver voto secreto? Alguém sabe quando pode e quando não pode haver uma candidatura avulsa? Alguém sabe quando pode e quando não pode haver uma disputa?

Se, como quer o esvoaçante Roberto Barroso, uma comissão só existe se indicada pelos líderes, por que haver, então, eleição? Por que discutir voto aberto ou fechado?

“Ah, mas, se Cunha recorrer a instrumentos como embargo de declaração, ele estará apenas adiando o desfecho, esperando que a piora da economia leve o povo às ruas…”

Continua após a publicidade

É mesmo? Que deputado sapeca!

Ele deveria fazer o jogo do PT e apressar o rito o máximo possível, não é mesmo? Não me matem de tédio!

Ora, convenham: agora que Dilma terá na Fazenda e no Planejamento petistas da gema, basta, então, tirar o país da lama e desmoralizar os que querem o impeachment… Isso não muda os crimes cometidos, mas se tem um argumento: “Querem tirar do poder uma presidente competente…”.

Não entendi a tese. E sempre estou pronto para ouvir explicações. Então o governo decide judicializar a questão do impeachment, contando com tipos como Roberto Barroso, mas a parte que perdeu deveria se declarar impedida de recorrer aos instrumentos que a própria legalidade oferece?

Se a Mesa da Câmara recorrer a embargos de declaração, acho que estará cumprindo a sua função. Se não o fizer, estará prevaricando. Se for Eduardo Cunha ainda a fazê-lo, estará cumprindo o seu papel de presidente da Câmara. Se outro estiver em seu lugar e não o fizer, então estará sendo apenas um esbirro do Planalto.

Continua após a publicidade

Esse negócio de democracia é pra valer. Ou a gente acata ou não acata.

Eu acato.

Espero o embargo de declaração. E, enquanto ele for julgado, com a questão devidamente esclarecida, o rito do impeachment tem de ser congelado.

“Ah, mas a economia vai piorar, e isso é ruim para Dilma.” Ora, basta que ela não piore… Uma coisa é certa: a gente não deixa de seguir as regras legais só porque a presidente é incompetente.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.