Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

Conspiração exaltada em prosa. Faltam, agora, os versos

Escrevi nesta madrugada um texto de que gostei muito sobre o futuro do PSDB. Sustento ali que os tucanos parecem não ter percebido que o Brasil mudou — mudança pela qual eles são os principais responsáveis, com o Plano Real. Não há mais espaço para cascata regionalista. Isso já era! O melhor trecho é este: […]

Por Reinaldo Azevedo
Atualizado em 31 jul 2020, 13h01 - Publicado em 28 jan 2011, 18h44

Escrevi nesta madrugada um texto de que gostei muito sobre o futuro do PSDB. Sustento ali que os tucanos parecem não ter percebido que o Brasil mudou — mudança pela qual eles são os principais responsáveis, com o Plano Real. Não há mais espaço para cascata regionalista. Isso já era! O melhor trecho é este:
Os três últimos presidentes – FHC, Lula e Dilma – são figuras dotadas, digamos, de certa transversalidade, que atravessam fronteiras, em vez de estabelecê-las; sua identidade – o intelectual, o operário e a mulher – servia para furar camadas, para romper nichos, não para criar linhas divisórias. E ISSO É BEM MAIS IMPORTANTE DO QUE PARECE.

E digo também que, se Aécio Neves quer ser presidente, tem de parar de falar como se fosse a encarnação das Minas Gerais míticas. Uma campanha eleitoral bem-conduzida por um eventual adversário faria picadinho dessa estratégia. Mas ele parece cercado de gente que o estimula cada vez mais na direção errada.

Um leitor me manda aqui um texto do jornal “O Tempo”, de Minas. É uma coisa muito impressionante. Segue em vermelho. Comento em azul.

Aécio ganha espaços no PSDB

Aos poucos, o grupo do PSDB ligado ao senador eleito Aécio Neves vai conseguindo se impor dentro do partido e aglutinando forças ao seu redor. Os tucanos mineiros já consideram como “praticamente assegurada” a reeleição do presidente nacional da legenda, senador Sérgio Guerra (PE). Anteontem, numa reunião, 53 dos 55 deputados federais do partido, que estavam presentes, assinaram um manifesto de apoio a Guerra.
Apontei ontem que a tentativa de reeleger Sérgio Guerra na marra tinha a marca de Aécio. Apanhei pra caramba. Eis aí.

Continua após a publicidade

Na prática, os parlamentares reduzem o poder de fogo do candidato tucano derrotado à Presidência José Serra, que teria a intenção de comandar o PSDB, e aumentam o de Aécio, que quer se candidatar à Presidência, em 2014. Ao mesmo tempo que se mobiliza em busca da reeleição de Sérgio Guerra, o grupo tucano já tratou de se mover no Senado. Tasso Jereissati (CE) e Arthur Virgílio (AM), que foram derrotados nas últimas eleições, iriam, respectivamente, para o comando do Instituto Teotônio Vilela (ITV) e para a diretoria de relações internacionais do partido.
Como se nota, o “grupo tucano” se organizou para tirar Serra da jogada, ocupando, segundo o jornal, todos os espaços. Tudo meticulosamente calculado. É bom lembrar que Guerra negou com veemência a conspirata.

Ambos são aliados de Aécio e poderiam ser fundamentais nos planos do mineiro de chegar ao Palácio do Planalto. “São indicações que se fortalecem a todo momento dentro do partido”, afirma um tucano, que pediu para não ter o nome divulgado.
Certo!

Para contribuir com a possível candidatura de Aécio à Presidência da República em 2014, os tucanos de Minas Gerais vêm ainda uma outra possibilidade: ceder a secretaria geral do partido, atualmente ocupada pelo deputado federal Rodrigo de Castro. O posto é estratégico no organograma do partido, mas os mineiros sabem que precisarão se aliar com tucanos de alta plumagem de outros Estados para dar a força necessária aos planos de uma candidatura aecista.
Chega-se nesse parágrafo ao estado da arte. Os “aecistas”, segundo o texto, deram, então, um jeito de eleger o presidente, que o jornal dá como certo, e também emplacariam Tasso Jereissati na Fundação Teotônio Vilela e Arthur Virgílio na diretoria de Relações Internacionais. Cabelo, barba e bigode, certo? Mas, vejam vocês,  o PSDB de Minas teria de fazer uma “concessão”: abrir mão da secretaria geral. Uau! Depois de levar tudo, então, segundo a lógica do texto, é como se a secretaria geral ainda fosse um direito natural  à qual generosamente se pode renunciar. Um gesto de boa-vontade!!!

O próprio Rodrigo de Castro, um dos aliados mais próximos ao senador eleito, já teria admitido a hipótese de deixar a secretaria geral do partido, caso isso seja necessário, em nome de uma composição nacional dentro do PSDB. O parlamentar, entretanto, ainda costuraria algum espaço dentro da executiva nacional do partido.
Que bom! Vitória atrás de vitória.

Continua após a publicidade

Em outro texto, lê-se este outro impressionante parágrafo:
Caso Serra resolva espernear e reclamar publicamente de estar sendo minado dentro do PSDB, os tucanos de Minas já têm um argumento na ponta da língua: “Serra nunca disse publicamente que seria candidato a presidente do PSDB. Não é possível que ele esteja repetindo o que fez, quando definiu que seria candidato à Presidência da República, anunciando somente na última hora. Seria novamente uma tática suicida”, ironiza um tucano paulista, aliado de Aécio.
Não é um blog. É o espaço noticioso. No jornal “O Tempo”, Serra não protesta, contesta ou reage, ele “esperneia”. E a justificativa dos tucanos de Minas, segundo se lê, é um mero pretexto, mas exibido pelo jornal como sinal de grande esperteza. Ditas as coisas em outros termos, teria assim: “Se ele espernear, a gente inventa uma mentira porque a gente é muito ladino mesmo!” Mais um pouco.

Nos próximos dias, o PSDB de Minas Gerais deve se reunir para traçar uma “tática de guerra”. Os tucanos do Estado querem demonstrar, com isso, poder de organização e decisão para tocarem as estratégias da corrida presidencial. Na tropa de choque, estão Rodrigo de Castro, o secretário de Governo de Minas Gerais, Danilo de Castro, o governador Antonio Anastasia e o presidente do PSDB no Estado, Nárcio Rodrigues.
Excelente! Segundo o jornal, a “tropa de choque” já está preparada para a “tática de guerra” contra… os adversários internos. Segundo o jornal, isso demonstraria “poder de organização e decisão”. A imprensa de Minas também impressiona, não é mesmo?

O PT deve estar aplaudindo de pé!

Encerro
Volto ao ponto inicial. Isso é tristemente velho e passadista. Desse mato, não sai coelho. Esse Brasil não existe mais. O tempo vai se encarregar de prová-lo. Os que se comportam como torcedores odeiam ler isso. Lamento! O Brasil vai eleger o próximo presidente da República; não será Minas. Nessa toada, o PT caminha para o quarto mandato sem muito esforço.

Continua após a publicidade

Quanto ao caráter do que aconteceu anteontem, nada como ler os detalhes na imprensa de Minas.  Como diria o jornal “O Tempo”, muita gente esperneou ontem, negando tratar-se de uma ação concertada, que nem mesmo cuidou de certos pruridos éticos. Etá tudo ai.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.