Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Anos Lula terminam com deficit externo recorde

Por Eduardo Cucolo, na Folha: Com a ajuda da China, o Brasil conseguiu fechar 2010 com recursos suficientes para financiar o rombo nas suas contas externas, que registraram o pior resultado nos oito anos de governo Lula. A recuperação da economia brasileira e o dólar barato levaram o país a um deficit de US$ 47,5 […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 13h03 - Publicado em 26 jan 2011, 04h35

Por Eduardo Cucolo, na Folha:
Com a ajuda da China, o Brasil conseguiu fechar 2010 com recursos suficientes para financiar o rombo nas suas contas externas, que registraram o pior resultado nos oito anos de governo Lula. A recuperação da economia brasileira e o dólar barato levaram o país a um deficit de US$ 47,5 bilhões nas transações com o exterior, maior valor da série iniciada em 1947 pelo Banco Central. Na comparação com o PIB, o deficit de 2,3% é o maior desde 2001. A maior parte do resultado se deve ao aumento de importações, a remessas de lucros e a gastos com viagens e serviços fora do país.

As transações correntes englobam, basicamente, a balança comercial, a balança de serviços (viagens, remessa de lucros) e transferências unilaterais (recursos enviados por brasileiros residentes no exterior, por exemplo). Somadas à entrada e à saída de capitais (investimento direto e em títulos e ações), formam o balanço de pagamentos, que ficou positivo em US$ 49,1 bilhões em 2010. O deficit nas transações correntes foi financiado pela entrada de US$ 48,5 bilhões em investimentos diretos em companhias, contrariando previsões do próprio BC, que foi surpreendido pela conclusão de um negócio três dias antes da virada do ano.

Entraram no país US$ 7,1 bilhões, referentes a uma operação da petrolífera chinesa Sinopec, que comprou 40% da Repsol no Brasil. A compra foi anunciada em outubro, mas a demora em se concretizar levou o BC a estimar que o dinheiro só entraria no país em 2011. Apesar da recuperação, o investimento estrangeiro ainda está abaixo do verificado antes da crise de 2008 na comparação com o PIB. Estimativas do governo para este ano mostram que não será possível financiar essa conta só com investimento direto. Aqui

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês