Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por Blog
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

Ainda Lula e a tolice racista

Lula afirmou que Barack Obama não pode errar, ou demorará muito tempo até que se eleja outra negro. Afirmei que é uma consideração boçal e racista. Chegaram muitos protestos furiosos, como sempre. E, também como sempre, há a turma que me convida a entender o ponto de vista dele. Eu entendi. E disse por que […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 18h36 - Publicado em 13 nov 2008, 18h44
Lula afirmou que Barack Obama não pode errar, ou demorará muito tempo até que se eleja outra negro. Afirmei que é uma consideração boçal e racista. Chegaram muitos protestos furiosos, como sempre. E, também como sempre, há a turma que me convida a entender o ponto de vista dele. Eu entendi. E disse por que é estúpido. E posso acrescentar outros motivos.

Se ser ou não negro é relevante, é preciso supor que, caso Obama se dê muito bem no governo, terá de ser sucedido por outro negro, certo? Ou será racismo botar um branco no lugar. Mais: para que haja sempre um negro em condição de disputar, a taxa de negros que se interessam por política e que alcançam o topo da carreira, podendo disputar uma indicação à Presidência por um dos dois grandes partidos, terá de ser brutalmente maior do que a dos brancos. A razão é simples: estamos, num caso, falando de 13% da população americana; no outro, de 70%. Mais: os negros e os latinos terão sempre de votar em negro (para combater o racismo, claro!!!), e quase metade dos brancos terá de fazer a mesma coisa, sempre! Ou será a volta do… racismo! Estamos diante de um legítimo “raciossímio”.

A verdade é que Lula, ao expressar aquela besteira, falava, como sempre, de si mesmo. Ele sempre faz isso, não importa o assunto. Se discutirem bicho de pé, ele dará o exemplo pessoal. Se comentarem a chegada do homem à Lua, ele logo evoca uma memória doméstica. A história da cultura avançou num movimento pendular entre o antropocentrismo e o teocentrismo. No Brasil, isso acabou: inaugurou-se o “Lulocentrismo”. Ou não foi ele próprio a ter afirmado que a eleição de Obama é o coroamento de um movimento iniciado no Brasil, em 2002?

Lula criou a fantasia de que, no Brasil, torciam por seu insucesso — “um metalúrgico não pode errar” —, o que é uma abordagem farisaica, autoritária. A picaretagem é a seguinte: a) se o governo der errado, é porque torceram contra; b) se der certo, é porque é um metalúrgico no poder. O truque vagabundo pode até funcionar no Brasil. Nos EUA, duvido.

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.