Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo

Por Blog
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

A “ESPIONAGEM” DURANTE O GOVERNO SARNEY E HOJE EM DIA

Na Folha de hoje, por Rubens Valente. Comento em seguida: Documentos liberados à Folha pelo Arquivo Nacional após 25 anos de sigilo demonstram que o governo do atual presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), espionou os principais focos de críticas na sociedade civil. O governo interceptou cartas, infiltrou agentes e produziu listas de nome e […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 15h11 - Publicado em 31 Maio 2010, 06h03

Na Folha de hoje, por Rubens Valente. Comento em seguida:
Documentos liberados à Folha pelo Arquivo Nacional após 25 anos de sigilo demonstram que o governo do atual presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), espionou os principais focos de críticas na sociedade civil. O governo interceptou cartas, infiltrou agentes e produziu listas de nome e endereços dos principais protagonistas da oposição.

Criado após o golpe de 64 e mantido por Sarney (1985-1990), o Serviço Nacional de Informações centralizava as informações na chefia do órgão em Brasília, que tinha status de ministério e ocupava sala ao lado da de Sarney, no Palácio do Planalto. Os relatórios revelam os principais focos de preocupação do governo: partidos de esquerda, entidades de trabalhadores rurais sem terra, especialmente o MST -largamente o mais visado dentre todos-, religiosos da Teologia da Libertação, sindicatos e setores da mídia.

O SNI recebia e retransmitia relatórios produzidos por inúmeros outros órgãos que formavam a chamada “comunidade de informações” -o arquivo contabilizou pelo menos 248 órgãos que integravam o sistema do SNI.

Em 11 de dezembro de 1988, o SNI acompanhou a “primeira reunião da executiva nacional” do Partido dos Trabalhadores. A reunião era fechada, com cerca de 30 pessoas, dentre as quais Luiz Inácio Lula da Silva e José Dirceu. Todos os líderes do PT tinham fichas no SNI. Os arapongas escreveram que os petistas atacaram a inflação e os baixos salários e afirmaram que Lula defendeu a antecipação das eleições. Lula teria dito: “O centro da crise é Sarney”.

O relatório descreve as disputas dentro do PT e “certo descontentamento” com a gestão da então prefeita paulistana, Luiza Erundina. Na Polícia Federal, dirigida pelo atual senador Romeu Tuma (PTB-SP), o serviço de espionagem era exercido pelo Centro de Informações.

Continua após a publicidade

A PF se valia de sua estrutura nos Estados para investigar os partidos que incomodavam o governo Sarney. Em 24 de junho de 1985, a superintendência de Minas emitiu “ordem de busca” para investigar “a tática do PCB [Partido Comunista Brasileiro] para o movimento sindical”. O documento orientava os policiais a “verificar se houve alterações táticas que modifiquem a orientação sindical determinada pelo partido em março de 85″.

Em maio de 1988, a unidade da PF no Paraná elaborou um relatório sobre um grupelho chamado PRC (Partido Revolucionário Comunista), formado por Tarso Genro (PT-RS), pelo hoje deputado José Genoino (PT-SP) e pela atual pré-candidata à Presidência pelo PV, Marina Silva, desconsiderada no relatório.

Na campanha de 1989, os arapongas deram destaque aos possíveis apoios que o MST prestaria a candidatos. “O MST vem difundindo a “campanha dos 11 pontos” para os presidenciáveis. Isto é, são propostas do MST para a reforma agrária que devem ser incluídas na plataforma do candidato. Aquele que se dispuser a aceitar integralmente os “11 pontos” terá o apoio do MST, menos Paulo Salim Maluf, Fernando Collor de Mello e Ronaldo Caiado”, apontou relatório datado de julho de 1989 -na eleição, o MST apoiou Lula. Aqui

Comento
Minha simpatia por Sarney é nenhuma. Quem gosta dele são os petistas. Tanto é assim que o comando do partido quer impor a aliança da legenda com Roseana no Maranhão. Mas acho que é preciso ir devagar aí.

Continua após a publicidade

Seria difícil provar que o SNI estivesse fazendo alguma coisa que a Abin não esteja fazendo neste exato momento, em plena vigência da democracia. Do que vai acima, inaceitável era e é acompanhar a reunião da Executiva de um partido, como aconteceu com a do PT. A propósito: foi escuta, ou havia infiltração do serviço na direção do partido?

Muitos dos documentos se referem ao acompanhamento de ações do MST. Fez muito bem o SNI! E espero que a Abin continue a fazer o mesmo ainda hoje. Para quem não sabe, serviços de Inteligência têm a obrigação funcional de acompanhar movimentos sociais que sejam, ainda que potencialmente, ameaças à ordem constitucional. Vale para greves, manifestações etc.  Noto ainda que o acompanhamento era oficial, documentado, com registro.

Grave mesmo é a espionagem não-oficial, aquela que não deixa documentos para arquivo e que serve à chantagem e à intimidação, com dossiês fajutos, como temos visto habitualmente no Brasil de hoje.  Grave mesmo é haver setores no Estado que atuam fora de qualquer controle.

A propósito: reportagem da VEJA desta semana mostra que um grupo de petistas já havia se organizado para, recorrendo a métodos policialescos, tentar, mais uma vez, melar as eleições. Consta que Dilma mandou parar tudo. Mas ninguém foi demitido. Os que acharam que podiam recorrer a tais métodos continuam na campanha. Por quê? Para quê?  Quem era o chefe da turma e de onde saía o dinheiro que a sustentava? Perto disso, o SNI do Sarney era composto de um bando de normalistas.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.