Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

TCE apura esquema de diárias na Assembleia de SC entre 2009 e 2011

Senador bolsonarista Jorginho Mello (PL-SC) foi presidente da casa legislativa em 2009, dentro do período em que supostas irregularidades ocorreram

Por Lucas Vettorazzo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 9 nov 2021, 21h17 - Publicado em 9 nov 2021, 18h30

O Tribunal de Contas de Santa Catarina tem ao menos duas investigações em curso sobre o uso irregular de dinheiro de diárias por deputados e servidores da Assembleia Legislativa do estado entre os anos de 2009 e 2011. O senador Jorginho Mello (PL-SC), que integrou a tropa de choque governista na CPI da Pandemia, presidiu a assembleia estadual em 2009, dentro do período em que as supostas irregularidades foram praticadas. 

Segundo o Radar apurou, as suspeitas envolvem 280 pessoas, incluindo ao menos 45 deputados, cujos nomes não foram revelados. Os investigados já estão sendo notificados pelo tribunal de contas e terão 30 dias para apresentarem as suas defesas. O caso pode ser encaminhado para o MP de Santa Catarina. Há indícios de que o uso indevido de diárias teria gerado gastos estimados em 12 milhões de reais. 

De acordo com o TCE, inicialmente havia um processo único sobre as suspeitas, mas ele está sendo desmembrado para facilitar a sua tramitação. “Antes, tínhamos um processo com inúmeros responsáveis (mais de 300), notas de empenho e outros documentos (em torno de 10.000 páginas), e isso dificultava e naturalmente atrasava as medidas que precisavam ser tomadas. Agora o Plenário deliberou que haverá um processo para cada responsável, o que certamente trará celeridade para as análises e conclusões que serão realizadas”, explicou o tribunal em nota. 

ATUALIZAÇÃO, às 21h15: Após a publicação desta nota, a assessoria do senador Jorginho Mello afirmou que a gestão do parlamentar como presidente da Alesc não está sendo investigada, “o que se investiga é o uso das diárias de viagem pelos gabinetes de todos os então deputados de 2009 a 2011” — Mello presidiu a Casa em 2009. O título anterior, que apontava a gestão do agora senador como alvo da investigação, foi alterado

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.