Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

STJ afasta Wilson Witzel do governo do Rio de Janeiro

Governador é investigado por suspeita de corrupção na área da saúde; PF cumpre mandados de busca e apreensão

Por Mariana Muniz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO , Robson Bonin Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 28 ago 2020, 10h08 - Publicado em 28 ago 2020, 06h32

O ministro Benedito Gonçalves, do Superior Tribunal de Justiça, afastou o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), a pedido da Procuradoria-Geral da República. Ele é acusado de integrar um esquema de corrupção na saúde, que teria beneficiado a mulher dele, Helena, com desvios em contratos. O afastamento vale inicialmente por 180 dias.

A pedido da PGR, a Polícia Federal cumpre nesta sexta-feira mandados de busca e apreensão contra políticos, empresários e agentes públicos. A primeira-dama é um dos alvos das buscas. Os mandados estão sendo cumpridos, também, na residência do vice-governador, Claudio Castro.

Segundo os investigadores, a partir da eleição de Witzel foi estabelecida uma organização criminosa dividida em três grupos que disputavam o poder mediante o pagamento de vantagens indevidas a agentes públicos. Liderados por empresários, esses grupos lotearam algumas das principais pastas estaduais – a exemplo da Secretaria de Saúde – para implementar esquemas que beneficiassem suas empresas.

O Radar vinha mostrando ao longo das últimas semanas que a situação do governador do Rio não era fácil – e que seu pedido de afastamento estava no forno há algum tempo.  Além disso, havia a sinalização por parte dos investigadores de que não só a situação de Witzel era complicada, mas da linha sucessória do estado também. Claudio Castro e André Ceciliano estavam na mira.

Continua após a publicidade

ASSINE VEJA

A esperança dos novatos na bolsa Leia nesta edição: a multidão de calouros no mercado de ações, a ‘lista negra’ de Bolsonaro e as fraudes na pandemia ()
Clique e Assine

Um dos fatores decisivos para a operação que atinge Witzel e seu governo nesta sexta-feira foi a delação premiada do ex-secretário de Saúde Edmar Santos, cujo acordo com a PGR também foi revelado pelo Radar.

A  operação, batizada de Tris in Idem, é desdobramento da Operação Placebo, que investiga corrupção em contratos públicos do Executivo fluminense. O nome da operação é uma referência ao fato de se tratar do terceiro governador do estado que se utiliza de esquemas ilícitos semelhantes para obter vantagens indevidas.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.