Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

PSL disputa 13 capitais, mas sem o apoio do principal nome de sua história

Eleito pelo partido, Jair Bolsonaro, familiares e seu grupo vão apoiar outros nomes na maioria dessas cidades

Por Evandro Éboli Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 24 set 2020, 09h26 - Publicado em 24 set 2020, 07h16

Na sua primeira disputa para Prefeitura após o inchaço resultado de seu maior triunfo – a chegada de Jair Bolsonaro ao Planalto -, o PSL irá disputar apenas 13 capitais com candidatos próprios.

Rachado e sem contar mais com o presidente nas suas fileiras – ele deixou a legenda -, quase ninguém desses 13 municípios terá o apoio do grupo ligado a Bolsonaro, que, na maior parte desses estados, estão fechados com outros candidatos de outras agremiações.

Alguns exemplos.

No Rio, o deputado federal Luiz Lima disputa a prefeitura da capital sem a adesão de Bolsonaro e de seus filhos. Se esse fator a essa altura ajuda ou atrapalha é outra história. Lima é um defensor do governo. Briga em comissões da Câmara com petistas – foram vários embates com Maria do Rosário, para citar um – e em discursos em plenário. Tudo pela gestão do atual ocupante do Planalto. Mas a recíproca não é verdadeira. Os Bolsonaro estão na canoa – furada ou não o tempo dirá – de Marcelo Crivella.

Joice Hasselmann, em São Paulo, nem em sonho terá Bolsonaro e seu grupo em seu palanque. É a ponta de lança da divisão do partido com o governo. Seu depoimento na CPMI das Fake News foi fundamental para tornar público o “gabinete do ódio” instalado no Planalto. O  capitão e sua turma vão de Celso Russomanno, aquele bom de partida, mas ruim de chegada. Quem sabe agora vai. Ou não.

Fernando Francischini é outro que deseja reatar com Bolsonaro. Candidato a prefeito de Curitiba, o hoje deputado estadual – que já foi dos mais próximos ao “capitão” – se distanciou. Aderiu cedo a Bolsonaro, ainda na campanha, mas também se afastou de forma prematura, antes mesmo da própria eleição de 2018. Algo que os afasta: Francischini é “lavajatista” empedernido. Já Bolsonaro… Vide o fim que levou sua aproximação com Sergio Moro.

Outro desafeto do presidente é o “prefeitável” Heitor Freire, candidato em Fortaleza. Também ligado ao grupo do presidente do partido, Luciano Bivar, o deputado federal foi apontado como o responsável por ter divulgado um “grampo”, ao gravar uma conversa telefônica com Bolsonaro. Freire sempre negou, mas a turma do Planalto nunca acreditou. Não se provou ao final. De qualquer maneira, mas o mal-estar ficou.

Com ou sem Bolsonaro a seu lado, os dirigentes do PSL irão trabalhar, claro, para conquistar maior número de prefeituras possíveis e se  consolidar como uma legenda vinculada ao liberalismo econômico e a livre iniciativa.

Continua após a publicidade

O partido disputará as eleições com candidatos próprios em São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Porto Velho, Boa Vista, Palmas, Macapá, Goiânia, Cuiabá, Recife, Natal, Fortaleza e Campo Grande.

Segundo o TSE, entre 2008 e 2012, o PSL aumentou em 20% o número de candidatos a prefeito. Em 2016, o acréscimo foi de 25,8%. Este ano, o número se aproxima dos 60% a mais em relação à disputa de quatro anos atrás, com 998 candidatos aprovados em convenção. Os dados finais ainda estão sendo analisados pelo TSE.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.