Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Noblat

Por Coluna
O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Outra vez o PT deverá ficar de fora do 2º turno da eleição paulista

Pesquisa Datafolha acende a luz vermelha na campanha de Tatto

Por Ricardo Noblat
Atualizado em 24 set 2020, 09h05 - Publicado em 24 set 2020, 08h00

Por ter sido a primeira aplicada presencialmente, a pesquisa Datafolha divulgada nesta madrugada inaugura, de fato, a morna, quase fria campanha para prefeito de São Paulo. E confirma o que o PT temia nos seus piores pesadelos: como há quatro anos, deverá ficar de fora do segundo turno.

O ex-deputado Jilmar Tatto, seu candidato a prefeito, aparece na rabeira da disputa embolado com nove candidatos que não passam de míseros 2% das intenções de voto. Isso ocorre na parte da pesquisa estimulada, quando ao entrevistado é apresentada uma lista com o nome de todos os candidatos.

O líder da pesquisa é o deputado federal Celso Russomanno (Republicanos) com 29%, seguido pelo atual prefeito Bruno Covas (PSDB) com 20%, Guilherme Boulos (PSOL) com 9%, e Márcio França (PSB) com 8%. Os que dizem que votarão em branco ou nulo somam 17%. E os que não souberam responder, 4%.

O Datafolha ouviu 1.092 eleitores nos últimos dias 21 e 22. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos. Na pesquisa espontânea, quando apenas se pergunta ao entrevistado em quem ele votaria se a eleição fosse hoje, Covas tem 8%, em empate técnico com Russomanno (5%) e Boulos (5%).

Continua após a publicidade

Dos oito prefeitos da capital paulista eleitos desde 1989, três foram do PT – Luiza Erundina, agora candidata a vice de Boulos, Martha Suplicy e Fernando Haddad. Não havia reeleição na época de Erundina. Candidata à reeleição, Martha foi derrotada no segundo turno. Haddad foi derrotado no primeiro ao tentar se reeleger.

O desempenho de Tatto na eleição deste ano deverá ser pior do que o de Haddad em 2016. Mal começou a campanha, e medalhões do PT, estreitamente ligados a Lula, abandonaram o candidato e aderiram a Boulos. Entre os simpatizantes do partido, 6% dizem que votarão em Tatto, 16% em Boulos e 32% em Russomanno.

ASSINE VEJA

A vez das escolas Leia esta semana em VEJA: os desafios da retomada das aulas nas escolas brasileiras. E mais: Queiroz vai assumir toda a responsabilidade por ‘rachadinha’ ()
Clique e Assine

Tatto não conseguiu na pesquisa sequer pontuar entre os eleitores mais ricos que costumavam votar no PT. E tem 1% das intenções de voto entre os eleitores com ensino superior, usualmente mais próximos da esquerda. Boulos alcança 18% entre os que ganham mais de 10 salários mínimos e 20% entre os mais instruídos.

Continua após a publicidade

Não fosse o Covid-19 com as restrições de circulação que impõe, Tatto poderia sonhar com maior envolvimento de Lula na sua campanha. Como cabo eleitoral, segundo o Datafolha, Lula sai-se melhor do que o presidente Jair Bolsonaro, que apoia Russomanno, e o governador João Doria (PSDB) que apoia Covas.

Mas além do Covid-19, Lula tem outro empecilho para suar a camisa por Tatto: o apoio que recebeu de Boulos quando estava preso em Curitiba. Lula sente-se em dívida com o candidato do PSOL e espera que Tatto compreenda isso. Nada de pessoal contra ele.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.