Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O recado de Celso de Mello aos ‘profanadores do estado democrático’

Ex-decano lembra que o STF sempre barrou "estruturas autoritárias que buscavam o controle institucional do Estado e o domínio político da sociedade civil'

Por Robson Bonin Atualizado em 24 jun 2022, 08h30 - Publicado em 24 jun 2022, 07h01

Ex-decano do STF, Celso de Mello escreveu uma carta de 13 páginas sobre a chegada do atual decano da Corte, Gilmar Mendes, aos 20 anos de atuação no tribunal.

Ainda que não cite nominalmente Jair Bolsonaro, Mello deixa seu recado sobre o dever de todos os poderes da República respeitarem a Constituição: “Nenhum dos Poderes está acima das leis nem a Presidência da República é imune ao império das leis”.

Mello exalta Mendes como o grande guardião da “ordem constitucional” diante dos “profanadores do Estado Democrático de direito”. “A presença do ministro Gilmar Mendes no Supremo Tribunal Federal, que ostenta reconhecida condição de magistrado em permanente defesa da ordem constitucional, traduzirá, sempre, consideradas a vocação protetiva e a segurança jurídica que emanam de seus sólidos e brilhantes votos, grave advertência aos profanadores do Estado Democrático de direito e àqueles que ousem transgredir o seu dever de subordinação e de respeito ao estatuto supremo que rege a vida institucional de nosso país”, diz Mello.

O ex-ministro lembra que os magistrados que passaram pelo STF sempre foram capazes de se opor a “estruturas autoritárias” que buscavam “monopolizar o poder”.

“Vale rememorar que o espírito do Supremo Tribunal, que nos envolve a todos, juízes do passado e do presente, confere-nos uma identidade comum, confirmada, a cada momento, pelos desafios, pelas crises e pelos dilemas de gerações de magistrados, que, tendo assento nesta Suprema Corte – e agindo com dignidade e notável percepção das exigências éticas impostas pela consciência democrática — foram sempre capazes de se opor, em instantes cruciais da vida política nacional, a estruturas autoritárias que buscavam monopolizar, com absoluta arrogância e avidez de poder, o controle institucional do Estado e o domínio político da sociedade civil”, diz Mello.

“O legado de nossa Corte Suprema, transmitido, continuamente, de geração a geração, a todos os Juízes que transpuseram os seus umbrais, é imenso e é indestrutível, pois desse legado resulta a lição – tão cuidadosamente preservada nas decisões deste Tribunal – de que o respeito à ordem constitucional legítima, a proteção das liberdades e a repulsa ao arbítrio qualificam-se como fins superiores que devem inspirar a conduta daqueles que pretendem construir e consolidar, no Brasil, o Estado democrático de Direito”, segue o ex-decano.

Leia a carta de Mello sobre os 20 anos de STF do ministro Gilmar Mendes.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)