Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Bolsonaro silencia sobre Heleno e referenda ataques ao Congresso

Auxiliar do presidente avançou sobre uma área que não é a sua no governo e causou uma crise que piora a situação do Planalto no Parlamento

Por Robson Bonin Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 20 fev 2020, 08h32 - Publicado em 20 fev 2020, 08h32

“Nós não podemos aceitar esses caras chantagearem a gente o tempo todo. Foda-se”. A frase de Augusto Heleno, um dos principais ministros do presidente Jair Bolsonaro, só poderia dar no que deu: mais um episódio de desgaste na relação entre Executivo e Legislativo.

Afinal, fazia tempo que uma alta autoridade palaciana não apontava o dedo na cara do Congresso para chamar os liderados de Davi Alcolumbre e de Rodrigo Maia de chantagistas.

Em nome da institucionalidade do cargo, Bolsonaro deveria ter repreendido o auxiliar em público tão logo a frase contra o Congresso foi divulgada pelo jornal O Globo.

O presidente, conhecido por mandar recado por meio de seus auxiliares, silenciou em sinal de aprovação. Bolsonaro passou quase 30 anos no Parlamento. Sabe, portanto, a gravidade do ataque que seu ministro fez ao Legislativo.

Silenciou na primeira fala e silenciou quando Heleno dobrou a aposta ao mandar a turma de Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre mudarem a Constituição, se desejam implantar o parlamentarismo no país.

Continua após a publicidade

“Externei minha visão sobre as insaciáveis reivindicações de alguns parlamentares por fatias do orçamento impositivo, o que reduz, substancialmente, o orçamento do Poder Executivo e de seus respectivos ministérios”, escreveu Heleno. “Isso, a meu ver, prejudica a atuação do Executivo e contraria os preceitos de um regime presidencialista. Se desejam o parlamentarismo, mudem a Constituição.”

Augusto Heleno subiu a rampa do Palácio do Planalto como um dos ministros mais poderosos de Jair Bolsonaro. Comanda o Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, o serviço secreto e o que pode o que não pode ser feito no entorno do presidente. Só não comanda a articulação política, justamente onde resolveu opinar sem ser chamado. Nesta quinta, quando levantar da cama, sua tarefa continuará sendo a mesma. Tomar café no palácio e postar comentários nas redes sociais.

Depois de bagunçar o meio de campo, sairá de cena e deixará a bronca nas mãos de Luiz Eduardo Ramos, o responsável pela articulação política do governo com o Congresso. Uma boa temporada de derrotas no Parlamento virá depois do Carnaval. Ramos que se prepare.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.