Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Bolsonaro deve depor pessoalmente à Polícia Federal, diz Celso de Mello

Placar está 1 a 0 para que presidente deponha presencialmente, e não por escrito, como AGU defende

Por Mariana Muniz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 8 out 2020, 17h14 - Publicado em 8 out 2020, 17h05

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), votou nesta quinta-feira para que o presidente Jair Bolsonaro deponha presencialmente à Polícia Federal no inquérito que apura suposta interferência sua na Polícia Federal — segundo apontado pelo ex-ministro da Justiça Sergio Moro.

“A relevância de qualificar-se o interrogatório no curso do inquérito como expressivo meio de defesa do investigado conduz ao reconhecimento de que a possibilidade de o investigado coparticipar, ativamente, do interrogatório dos demais coinvestigados traduz projeção concretizadora da própria garantia constitucional da plenitude de defesa, cuja integridade há de ser preservada por juízes e Tribunais”, disse o ministro. 

O decano foi o único a votar na sessão desta quinta-feira. Segundo o ministro, o presidente deve depor pessoalmente à PF para que Moro também possa fazer perguntas. Pelo voto do ministro, Bolsonaro deve depor em dia e horário marcado pela Polícia Federal.

Na avaliação de Celso, investigados — como é o caso de Bolsonaro e de Moro — devem depor presencialmente. O depoimento por escrito, como quer a AGU, só pode ser concedido para quem não ostenta essa posição nas investigações. Para o decano, o depoimento por escrito de chefes dos poderes da República configura um “verdadeiro privilégio” e “põe em perspectiva a grave questão concernente a uma prerrogativa fundamental, como o direito ao confronto no processo penal”. 

Continua após a publicidade

A continuação do julgamento depende de o caso ser incluído em pauta pelo presidente da Corte, ministro Luiz Fux.

 

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.