Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

A despedida do polêmico embaixador da China no Brasil

Nesta sexta, Yang Wanmig despediu-se pessoalmente do vice-presidente Hamilton Mourão e do ministro das Relações Exteriores, Carlos França

Por Lucas Vettorazzo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 25 fev 2022, 16h01 - Publicado em 25 fev 2022, 15h33

Depois de três anos no cargo, o embaixador da China Yang Wanming anunciou o fim de sua missão no Brasil. Wanming foi o responsável por contornar os constrangimentos provocados pelas trapalhadas ideológicas do governo de Jair Bolsonaro e seu entorno com o país asiático.

Em março de 2020, o deputado Eduardo Bolsonaro culpou a China pela pandemia da Covid-19. À época, a embaixada dirigida por Wanming respondeu que as palavras do filho zero três do presidente eram “absurdas e preconceituosas, além de irresponsáveis”. Dado a repercussão negativa, o parlamentar se viu obrigado a apagar das redes o comentário xenófobo sobre o principal parceiro comercial brasileiro no mundo. 

Na ocasião do ataque, o então ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, mandou a diplomacia para o espaço e preferiu bajular o filho do chefe. Ele classificou a reação chinesa como “desproporcional”. Ao longo de seu termo como ministro, Araújo fez diversos ataques à China.

Em novembro de 2020, Dudu voltou à carga contra os chineses, agora acusando-os de espionagem no processo de ampliação do uso da tecnologia 5G na telefonia. Novamente, o embaixador Wanming foi a campo para repudiar a fala, classificando-a como infame, e também para lembrar ao deputado que declarações daquele tipo eram prejudiciais às relações bilaterais entre os países. Também daquela vez  Araújo saiu em defesa do filho do patrão e o Itamaraty emitiu uma nota declarando que o embaixador foi “desrespeitoso” ao reagir ao ataque.

Continua após a publicidade

A despeito dos arranca-rabos recentes, Wanming disse nesta sexta que a relação entre os países esta amadurecendo e se disse honrado por ter ocupado o posto. Nesta sexta, o embaixador despediu-se pessoalmente do vice-presidente Hamilton Mourão e do atual ministro das Relações Exteriores, Carlos França.

“Caros amigos, minha missão como embaixador da China no Brasil está chegando ao fim. Os três anos que passei neste nobre país foram uma experiência valiosa na minha carreira diplomática, uma oportunidade pela qual me sinto profundamente honrado e orgulhoso (…) Estou muito satisfeito com os fluídos diálogos que sempre mantivemos com todas as partes da sociedade brasileira. Vou sempre lembrar a amizade do povo brasileiro com o povo chinês e o apoio valioso que os amigos brasileiros têm me dado tão generosamente ao longo do tempo”, disse o embaixador.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.