Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Jurídico Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Miguel Matos
O universo do Direito sem juridiquês, nem data venia.
Continua após publicidade

Cannabis: plantar ou não, eis a questão

Na Justiça, a controvérsia gira em torno da possibilidade de se plantar cannabis para fins medicinais

Por Miguel Matos Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 10 abr 2023, 10h59 - Publicado em 10 abr 2023, 10h54

Como se sabe, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) é a Corte judicial responsável final pela interpretação das leis, garantindo estabilidade jurídica a partir da uniformização da jurisprudência.

Uma das tormentosas questões que estão neste que é conhecido como o Tribunal da Cidadania é a que trata do plantio de cannabis para fins medicinais.

A lei antidrogas, de 2006, diz que a União irá autorizar que se possa plantar algumas drogas exclusivamente para fins medicinais ou científicos. Ocorre que tal autorização, que dependeria de uma regulamentação, nunca veio, mesmo depois de quase 17 anos de vigência da lei.

E como cabe ao magistrado distribuir o Direito, mesmo havendo lacuna na lei, o que está acontecendo é que há decisões ora num sentido, ora em outro.

Recentemente, a 1ª seção do STJ determinou a suspensão, em todo o país, da tramitação das ações individuais ou coletivas – onde há evidentes reflexos penais – que discutem a possibilidade de autorização para cultivo de variedades de cannabis para fins medicinais.

Continua após a publicidade

A mencionada seção do Tribunal trata de matérias de Direito Público, de modo que o que ali se analisa, sobretudo, é a regulamentação desse plantio pela Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa), e que não prevê a situação do particular.

Paralelamente, há a conduta criminal das pessoas que, precisando destes medicamentos, plantam, por si sós, cannabis.

Estes últimos casos são analisados por ministros que integram a 3ª seção do Tribunal, e há decisões que, mesmo diante da suspensão dos processos determinada pela 1ª seção, concedem habeas corpus para conceder salvo conduto aos que fazem tal cultivo.

Trata-se, como se vê, de um típico imbróglio jurídico, que certamente terá em breve bom termo. É, afinal, o que esperam todos os que precisam destes medicamentos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.