Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Econômico Por Victor Irajá (interino) Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

O “xixi na garrafa” da Amazon e o efeito fulminante em Jeff Bezos

Bezos promete em sua última carta aos acionistas como CEO da Amazon que vai transformar a empresa no "Melhor Empregador da Terra"

Por Josette Goulart Atualizado em 15 abr 2021, 12h17 - Publicado em 15 abr 2021, 10h32

Na sua última carta aos acionistas como CEO da Amazon, divulgada nesta quinta-feira, 15, Jeff Bezos faz uma promessa. Vai transformar a Amazon no “Melhor Empregador da Terra e o Local de Trabalho Mais Seguro da Terra”. Ele diz que a Amazon o fez um homem rico promete que, como presidente do conselho de administração, vai se concentrar na nova meta. “Eu sou um inventor. É o que mais gosto e o que faço de melhor. É onde eu crio mais valor. Nos detalhes, nós da Amazon somos sempre flexíveis, mas em questões de visão somos teimosos e implacáveis. Nunca falhamos quando colocamos nossas mentes em algo, e também não vamos falhar nisso.” A Amazon emprega 1,3 milhão de pessoas no mundo. Cerca de 500 mil chegaram à empresa no ano passado.

Mas tem um motivo para Bezos se debruçar sobre este assunto. E não é nada bonito. A empresa foi massacrada nos últimos meses por conta do processo de sindicalização proposto pelos trabalhadores do Alabama. Eles não conseguiram formar o sindicato, que nos Estados Unidos é formado por empresa e não por classe de trabalhadores, mas o estrago foi feito. A Amazon foi agressiva em conter este movimento e o desgaste de imagem foi gigante. Descobriu-se, por exemplo, por conta de uma guerra de tuítes com senadores americanos que funcionários da Amazon tinham que mijar em garrafas d’agua por não ter tempo de ir ao banheiro. Num primeiro momento, a empresa foi agressiva nas respostas e depois teve que admitir que, de fato, alguns motoristas da empresa usavam deste artifício. Aliás, não só mijavam, mas também tinham que defecar fora do banheiro.

Bezos não menciona este episódio em sua carta. Nem precisa. Que o homem mais rico do mundo seja muito bem sucedido na sua nova empreitada e que sua mente brilhante transforme também as relações de trabalho.

Leia Também:

  • Cinco pontos que Pazuello precisará explicar na CPI da Pandemia.
  • STF confirma liminar de Barroso que determinou criação da CPI da Covid-19.
  • Partidos indicam membros para CPI da Covid-19 no Senado.
  • Sputnik V: o que ainda trava a chegada da vacina russa no Brasil.
  • Covid-19: doze estados e DF têm taxa de mortalidade maior que a nacional.
  • General Silva e Luna vai ganhar mais que Castello Branco na Petrobras?
  • Com Acordo de Paris, petróleo vai a US$ 10 em 2050, diz consultoria.
Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)