Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Por Trás dos Números Por Renato Meirelles Renato Meirelles é pai da Helena, acredita que a Terra é redonda, está à frente do Instituto Locomotiva e, neste espaço, interpreta os números muito além da planilha Excel

O efeito Milton Ribeiro

Prisão de ex-ministro pode eliminar a bala de prata da campanha bolsonarista

Por Renato Meirelles Atualizado em 22 jun 2022, 18h28 - Publicado em 22 jun 2022, 18h05

Não cabe a este colunista fazer juízo de valor sobre a honestidade de ninguém. Nem condenar antecipadamente alguém antes do devido processo legal. Mas, como analista de opinião pública, tenho o dever de ofício de dizer que a prisão do ex-ministro da Educação, Milton Ribeiro deve provocar fortes turbulências na campanha de Jair Bolsonaro. Entre elas, fragilizar uma das principais balas de prata da campanha bolsonarista para alvejar a aceitação de Lula: a lembrança das denúncias de corrupção envolvendo o ex-presidente.

Como se sabe, a bandeira anticorrupção, turbinada pelo antipetismo, foi uma das principais responsáveis pela eleição do capitão em 2018. Bolsonaro, afinal, é o presidente que afirmou que a Lava Jato terminou porque “não tem mais corrupção no governo”.

Quem acompanha a cena nacional com alguma isenção já encontrava dificuldades para comprar essa retórica. Um governo marcado por escândalos envolvendo os filhos e a esposa do presidente, trocas constantes no comando da Polícia Federal, estrangulamento dos órgãos de fiscalização, abusos com o cartão corporativo, sigilos de um século, superfaturamento na compra de vacinas e, é claro, pelo “orçamento secreto”, não pode se vangloriar de ter eliminado a corrupção.

O caso Milton Ribeiro traz um ingrediente novo ao enredo: pela primeira vez, Bolsonaro é implicado diretamente em um esquema de corrupção e tráfico de influência. Ribeiro foi gravado afirmando sem rodeios que a intermediação de verbas do ministério por pastores da Assembleia de Deus era um “pedido especial do presidente da República”.

Ribeiro esteve à frente do MEC por quase dois anos. Sua prisão prejudica não apenas a imagem de Bolsonaro, como também uma de suas principais armas de campanha. O Instituto Locomotiva apurou que o tema da corrupção é o que mais prejudica a imagem de Lula. Em vídeos de campanha fictícios, usados para a pesquisa qualitativa, a cena do ex-presidente na condição de réu, sendo interrogado por Sérgio Moro, é a que mais provoca reações negativas dos eleitores. Bolsonaro, por sua vez, sofre mais com sua postura diante da pandemia e sua inabilidade na condução da economia.

Ou seja: se a pecha de corrupto colar em Bolsonaro, o ex-capitão perde seu principal talking point durante a campanha eleitoral. O caso Milton Ribeiro tem o potencial de sacramentar o entendimento (já diagnosticado por várias pesquisas) de que a percepção de honestidade está longe de ser um diferenciador das candidaturas. Se, na percepção do eleitor, nenhum dos dois é honesto, resta a pergunta. “A minha vida está melhor no governo Bolsonaro do que era no governo Lula?”

Aguardemos os próximos capítulos.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)