Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Paraná Por VEJA Correspondentes Política, negócios, urbanismo e outros temas e personagens paranaenses. Por Guilherme Voitch, de Curitiba

MP negocia nova delação premiada na Operação Quadro Negro

Operação apura se políticos do estado, entre eles o governador Beto Richa, se beneficiaram de propina

Por Guilherme Voitch 27 nov 2017, 18h35

O Ministério Público do Paraná trabalha na finalização de mais um acordo de colaboração com um dos investigados da Operação Quadro Negro. É a delação de Maurício Fanini, ex-diretor da Secretaria de Educação. A Quadro Negro apura se um esquema de pagamento de propinas em obras de escolas estaduais teria beneficiado políticos do estado, entre eles o governador Beto Richa (PSDB), secretários de estado e deputados estaduais.

As investigações apontam que a Construtora Valor era beneficiada com uma série de aditivos milionários em obras de escolas pelo estado que, ou não saiam do papel, ou avançavam em ritmo lento. O dono da Valor, Eduardo Lopes de Souza, teve sua delação homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Os políticos envolvidos negam participação no caso e o governo afirma que a investigação teve início a partir de irregularidades detectadas em uma auditoria interna da Secretaria de Educação.

Nas últimas semanas, a saída de um dos promotores da equipe levantou dúvidas sobre a continuidade dos trabalhos. Para os promotores que trabalham na Quadro Negro houve muito “barulho e personalização” da saída. As mudanças na equipe, garantem, só reforçaram o ritmo de trabalho.

Publicidade