Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

O Som e a Fúria

Por Felipe Branco Cruz
Pop, rock, jazz, black music ou MPB: tudo o que for notícia no mundo da música está na mira deste blog, para o bem ou para o mal
Continua após publicidade

Bruce Dickinson: a nova investida do ídolo mais hiperativo do heavy metal

Cantor do Iron Maiden acaba de ampliar seu impressionante rol de atividades: além de cantar, pilotar aviões e lutar esgrima, ele agora é autor de gibi

Por Felipe Branco Cruz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 8 Maio 2024, 16h57 - Publicado em 12 jan 2024, 06h00

Há quatro anos, quando a pandemia da Covid-19 estourou, Bruce Dickinson se viu na mesma situação de tantas bandas e mortais ao redor do globo: foi forçado a desacelerar, dando uma pausa frustrante na turnê do Iron Maiden. Ídolo mais hiperativo do heavy metal, o vocalista de 65 anos também teve de deixar de lado outros dois hobbies que amava, a esgrima e a atuação como piloto de aviões. Longe de pensar em aposentadoria, Dickinson encontrou uma boa razão para não ficar parado: a criação do The Mandrake Project, história imaginada por ele dez anos antes do isolamento social chegar, mas que precisou ser engavetada após a descoberta de um câncer na garganta e na língua.

Leia também: Bruce Dickinson, do Iron Maiden: ‘Me comporto como um monge’

O audacioso projeto finalizado na pandemia se desdobra em uma história em quadrinhos dividida em doze episódios e um disco solo homônimo, o primeiro do músico em quase vinte anos. A história trata de poder, abuso e luta por identidade, com pitadas de sexo, violência e ocultismo. O enredo fala sobre um certo Dr. Necropolis, suposto gênio que se envolve no projeto em questão, liderado pelo obscuro Professor Lazarus — e cujo objetivo é nada menos do que capturar a alma humana no momento da morte. “O resultado é um disco solo e uma graphic novel que podem ser consumidas separadamente, mas que contam histórias relacionadas”, diz Dickinson, que falou a VEJA durante viagem de divulgação ao Brasil (leia entrevista).

Bruce Dickinson. Uma Autobiografia

Continua após a publicidade

A escolha do país para o lançamento do gibi, que chega às bancas em março, não foi aleatória. O músico considera a América Latina o mercado mais fiel e rentável do Iron Maiden. Por isso, os dois primeiros shows de sua turnê solo, em abril, serão no México — e os sete seguintes no Brasil. Em dezembro, ele volta ao país, dessa vez com sua banda famosa, para dois shows em São Paulo. “O melhor público do Iron Maiden está no Brasil. Isso é fantástico”, afirma.

Iron Maiden: Álbum por Álbum

A aposta na graphic novel reforça a aura de polímata — pessoa que possui inúmeras habilidades — de Dickinson. Antes de se tornar cantor, ele foi esgrimista profissional e, nos anos 1980, quase chegou a compor a seleção olímpica inglesa. Até hoje ele carrega um florete na bagagem para praticar em meio às turnês. Além de emprestar sua voz demoníaco-operística a uma das maiores bandas do heavy metal, Dickinson também já teve uma segunda profissão. Apaixonado por aviação, ele aprendeu a pilotar na maturidade e por alguns anos trabalhou como piloto comercial da Astraeus Airlines. Nos anos seguintes, surpreendeu o mundo ao pilotar o próprio Boeing do Iron Maiden, o Ed Force One (que pousou, inclusive, no Brasil). Ele se embrenhou ainda na produção da cerveja Trooper, que leva o título de uma das músicas da banda e já vendeu milhões de latinhas. Entre um trabalho e outro, claro, lançou inúmeros álbuns com o Iron Maiden — e três livros. A versatilidade também se transformou numa usina de lucros. Atualmente, ele faz palestras sobre empreendedorismo e é dono de uma empresa de manutenção de aviões.

Continua após a publicidade

Senjutsu [Disco de Vinil Triplo]

Apesar de tantas frentes, Dickinson não descuida do essencial: zelar pelo legado do Iron Maiden. Após lançar autoelogios ruidosos como seus urros no palco, não perde a chance de cutucar outros gêneros. “Música pop é opcio­nal. Se você nunca mais ouvir Taylor Swift, nem vai notar. É diferente do heavy metal, que é parte da vida das pessoas”, diz. O metaleiro múltiplo não brinca em serviço.

Publicado em VEJA de 12 de janeiro de 2024, edição nº 2875

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.