Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Noblat Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Coluna
O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Temer chama o Pires, mas não havia Pires

Quem pariu Mateus que o embale

Por Ricardo Noblat
Atualizado em 28 Maio 2018, 08h01 - Publicado em 28 Maio 2018, 08h00

Sempre que se via contrariado, João Figueiredo, o último presidente da ditadura militar de 64, ameaçava chamar o Pires.

O Pires de Figueiredo era o general Walter Pires, ministro do Exército, sempre disposto a botar para quebrar.

O presidente José Sarney, empossado pela junta médica que cuidou do presidente enfermo Tancredo Neves, tinha seu Pires.

Era o general Leônidas Pires Gonçalves, ministro do Exército, um Pires menos brucutu, mas assim mesmo um Pires.

Foi Leônidas, com um exemplar da Constituição nas mãos, quem disse primeiro que Sarney sucederia a Tancredo.

Ele foi decisivo para que Sarney arrancasse da Constituinte de 1988 o mandato de cinco anos como queria, e não de quatro.

Continua após a publicidade

O presidente Michel Temer imaginou que o general Eduardo Villas Bôas, comandante do Exército, poderia ser o seu Pires.

Não se sabe o que os dois conversaram recentemente sob rigoroso sigilo e por iniciativa de Temer.

Mas se para enfrentar a greve dos caminhoneiros Temer precisava de um Pires como Walter ou Leônidas, faltou-lhe um.

Temer chamou o Exército para desbloquear as estradas e fazer mais o que fosse necessário. Villas Bôas fingiu ouvir.

Helicópteros do Exército sobrevoaram estradas, pequenos contingentes de tropas apareceram aqui e acolá, e foi só.

Continua após a publicidade

Os militares da ativa se recusam a fazer o trabalho sujo que os políticos querem jogar no seu colo.

Os de pijama até que topariam fazer – mas cadê tropas para isso? Disparam nas redes sociais e depois vão jogar dominó.

Quem pariu Mateus que o embale. Lula, Dilma, Temer não foram paridos na caserna.

Bolsonaro é coisa do baixo clero de farda. General não bate continência para capitão. Jamais para um suspeito de traição.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.