Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Noblat

Por Coluna Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Palhaço que se preza paga a conta

No quesito alegorias e adereços, a novidade é a ala dos palhaços. Assistindo incrédulos ao espetáculo inaceitável

Por Elton Simões
Atualizado em 12 fev 2018, 15h06 - Publicado em 12 fev 2018, 15h06

Com Carnaval não se brinca. É coisa séria. Um país inteiro que se organiza para uma festa que vara dia e noite. Comunidades se unem, coordenam e se apresentam em desfile milimetricamente planejado, no tempo certo, sem atraso ou adianto. Não é brincadeira mesmo.

O trânsito melhora. As ruas ficam mais seguras. As pessoas se divertem. Em casa ou fora, tudo parece funcionar razoavelmente. Com exceção da (frequente, aparentemente inevitável, mas certamente tolerada) urinação (ou pior) pública, o país mostra a sua melhor. E ainda ri.

Carnaval não é problema. É oportunidade. Mostra que produzir, organizar e fazer são atividades surpreendentemente possíveis no país tropical. Para espanto de todos e contra todas as expectativas e, talvez até ao arrepio da lógica, tudo (ou quase) funciona. São 5 dias em que a gente vê o que poderia ser. Seguidos de outros 360 arrastando a vergonha de já ter sido.

É depois da 4ª feira que as coisas complicam. Aí sim parece brincadeira. Ou talvez seja brincadeira mesmo. Falta seriedade. E a gente, ironicamente, carnavaliza resto do ano como se para ganhar pontos em desfile de fantasias malfeitas. E este ano a carnavalização da nação promete.

A comissão de frente já anuncia o enredo. Nada de alegria, ironia ou inteligência. Drama policial é o enredo do ano. Nada de original ou surpreendente. E segue o desfile trágico completo com a presença de investigados de todo gênero, presos, condenados atuais e futuros e celebridades de calibre e gosto discutíveis, todos, claro, andando de costas em marcha batida em direção ao passado.

Continua após a publicidade

O desfile segue com evolução, harmonia e conjunto bem sincronizados. O que não quer dizer belo, ou mesmo bom. A cleptocracia de prestidigitadores ilude os espectadores, em espetáculo medíocre, de pouca inteligência e nenhuma vergonha. Como convém a vigarista que se preze. Coreografia velha, sem novidades, previsível ao ponto de atrair o mofo.

Tudo isso ao som de samba-enredo de melodia repetitiva onde entonam desculpas repetitivas, empacotadas em vícios de linguagem e erros de concordância. Para desespero do distinto público.

No quesito alegorias e adereços, a novidade é a ala dos palhaços. Assistindo incrédulos ao espetáculo inaceitável, palhaços, a tudo assistem. Sem direito sequer a distribuição gratuita de colarinhos largos ou narizes vermelhos. Palhaço que se preza paga a conta.

Elton Simões mora no Canadá. É President and Chair of the Board do ADR Institute of BC; e Board Director no ADR Institute of Canada. É árbitro, mediador e diretor não-executivo, formado em direito e administração de empresas, com MBA no INSEAD e Mestrado em Resolução de Conflitos na University of Victoria. E-mail: esimoes@uvic.ca

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.