Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Noblat Por Coluna O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O pesadelo (por Gustavo Krause)

Populismo bolsonarista

Por Gustavo Krause Atualizado em 29 jan 2021, 19h51 - Publicado em 24 jan 2021, 13h00

O brasileiro não tem sossego. É um bombardeio permanente de notícias ruins e a inacreditável morte dos Manauaras por falta de ar. O que dirá e quem assina o atestado de óbito?

Ao fim de cada dia, vem o desafio: insônia, pesadelo ou uma drogazinha para dormir. Sonhar é proibido. E como se não bastasse, a gente não sabe se tem a companhia perigosa do indesejável Covid-19. Esta rotina se estabeleceu nos últimos dois anos e parece que não quer nos largar.

De vez em quando uma notícia boa: Trump perdeu a eleição! O teatro do absurdo profanou o templo da democracia universal, o Capitólio, espetáculo regido pelos acordes da intolerância. Prevaleceu a lei. O Bufão que perdeu nas urnas, Câmara, Senado e pode perder os direitos políticos na consumação do impeachment o que seria profilático para o ambiente político.

No entanto, não é aconselhável subestimar o “trumpismo”. O populismo, risco autoritário permanente, assume, por força do personalismo, as feições e os nomes dos seus líderes, leninismo, stalinismo, getulismo, peronismo, maoismo, chavismo, tendo pano de fundo, especialmente as mais duradouras, um catecismo ideológico como foram o nazismo, o fascismo e o comunismo. As redes sociais mobilizam a seita dos idiotas.

Apesar dos nomes de batismo, as autocracias atuais têm um farol ideológico a iluminar seus fundamentos. No caso brasileiro, o populismo bolsonarista tem como fonte de inspiração o Tradicionalismo (o T maiúsculo é para distinguir o tradicionalismo no seu sentido conservador clássico).

Continua após a publicidade

O recentíssimo livro Guerra pela eternidade (Ed. Unicamp) resultou de um longo trabalho do pesquisador e etnógrafo Benjamin Teittelbaum que entrevistou autores e intelectuais de extrema direita.

 Originalmente, o Tradicionalismo é uma escola espiritual e filosófica que passou a ocupar o nicho político da extrema direita. A visão é destrutiva porque se apoia amplamente no anti: antiprogressista, antiglobalista, anticientífica, pela qual perpassa uma lógica de destruição do que é moderno. Curiosamente, é uma obra de “conselheiros dos líderes”: Steve Bannon/Trump, Olavo/Bolsonaro/Ernesto Araújo, Dugin/Putin, inspirados no patriarca René Guénon (1886-1951) e Julius Evola (1898-1974). Todos místicos, esotéricos e apocalípticos.

Pois bem, uma breve leitura de Teittelbaum me levou a um terrível pesadelo: a engenharia genética Tradicionalista criara um ser assustador: metade com cabelos louros e  metade de cabelos negros com um bigodinho inconfundível.

Assustado e zonzo, uma bendita visão: Mônica Calazans, a primeira brasileira a tomar a vacina. Alívio. A ciência venceu a estupidez do negacionismo. Dias e noites melhores virão.

 Gustavo Krause foi governador e ministro 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês