Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Noblat

Por Coluna
O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Frente Ampla do Populismo

A Frente Ampla do Populismo vai do ministro Moreira Franco à Federação Única dos Petroleiros, passando ainda por Jair Bolsonaro

Por Hubert Alquéres
Atualizado em 6 jun 2018, 14h00 - Publicado em 6 jun 2018, 14h00

Pedro Parente tinha tudo para ser uma unanimidade nacional. Antes de sua gestão, a Petrobrás ocupava as páginas policiais. Parente herdou uma dívida de R$ 450 bilhões, a maior dívida corporativa do mundo no setor do petróleo. A estatal monopolista vinha de dois anos sucessivos de prejuízo e sua dívida era quase cinco vezes superior à sua geração de caixa quando o recomendável é que seja no máximo de duas vezes.

As causas da hecatombe são sobejamente conhecidas: corrupção em larga escala patrocinada pelo lulopetismo, investimentos desastrosos, obrigação da Petrobrás estar presente em toda exploração do Pré-sal e o represamento dos preços de seus produtos. Só nessa brincadeira o governo da presidente Dilma Rousseff deu um prejuízo de R$ 59 bilhões à estatal.

Em dois anos Pedro Parente reverteu o quadro. A Petrobrás voltou aos cadernos de economia, a relação dívida/geração de caixa em 2018 será de 2,5; a empresa retomou sua capacidade de investimento e teve um lucro de R$ 6,7 bilhões só no primeiro trimestre deste ano. Voltou a distribuir dividendos para seus acionistas, resgatando sua credibilidade internacional. A venda de ativos, o desaparelhamento e a nova política de preços foram decisivas para a sua recuperação.

Pedro Parente caiu por diversos fatores. O primeiro foi querer mudar a natureza do animal. Afinal, a Petrobras é uma empresa estatal. Eliminar interferência política é querer demais, impossível até com a criação de regras “eficientes” de intervenção. O melhor mesmo seria acabar com o monopólio e privatizá-la.

Além disso, Pedro Parente errou feio ao trazer para os derivados de petróleo, cobrados em reais, a volatilidade diária do preço do barril lá fora, potencializada pela flutuação cambial.

Continua após a publicidade

Sua queda também se deu pela confluência de interesses ideológicos, eleitoreiros e de um governo frágil e pusilânime, incapaz de defender um de seus poucos ativos.

Neste caso a Frente Ampla do Populismo vai do ministro Moreira Franco à Federação Única dos Petroleiros, passando ainda por Jair Bolsonaro. Nessa arca de Noé estão os presidentes do Senado e da Câmara, tucanos como o senador Cássio Cunha Lima, Ciro Gomes, a esquerda estatocrata, viúvas da ditadura e os partidos do Centrão. O próprio presidente Michel Temer aderiu ao cordão dos irresponsáveis, com concessões descabidas aos caminhoneiros e declarações dúbias quanto à política de preços da Petrobrás.

Os presidenciáveis da esquerda bombardearam a política de Pedro Parente porque querem o retorno do modelo do represamento dos preços. O candidato da extrema direita apoiou o locaute do setor de transportes por ser beneficiário de uma desordem social. E os oportunistas de diversas colorações partidárias para surfar na onda do movimento dos caminhoneiros.

Não se esperava outra coisa desses atores. O lamentável é o silêncio sepulcral de candidatos a priori comprometidos com a estabilidade e a credibilidade da política econômica. De Marina Silva e Geraldo Alckmin não se ouviu uma palavra de condenação às bondades concedidas aos “caminhoneiros” ou de defesa de Pedro Parente.

Continua após a publicidade

Pensávamos o Brasil livre da reserva de mercado e do represamento dos preços, quem sabe um dia livre de empresas estatais monopolistas.

As concessões de Temer trazem de volta fantasmas do passado. Hoje a política de preços da Petrobrás, amanhã o teto dos gastos. Hoje o diesel, amanhã a gasolina e o gás.

O amanhã está próximo: o governo já estuda medidas para conter o preço da gasolina e do gás. É o chamado represamento disfarçado dos preços, com o fardo da conta caindo nas costas da sociedade.

Em ano eleitoral, a voracidade do populismo é insaciável.

Continua após a publicidade

Hubert Alquéres é professor e membro do Conselho Estadual de Educação (SP). Lecionou na Escola Politécnica da USP e no Colégio Bandeirantes e foi secretário-adjunto de Educação do Governo do Estado de São Paulo 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.