Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Noblat Por Coluna O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

É pelo país, e não por ninguém!

Sobre impressões digitais

Por Ricardo Noblat Atualizado em 30 jul 2020, 19h36 - Publicado em 5 jul 2019, 07h00

Se um juiz orienta uma das partes em um processo a proceder assim ou assado e antecipa decisões que tomará em breve, isso caracteriza prova de que beneficiou um lado em detrimento do outro? Seria a impressão digital que faltava para comprovar um crime?

Se um procurador da República só aceita firmar um acordo de delação premiada depois que o preso conta o que ele gostaria de ouvir, isso prova que ele prevaricou ou que o delator mentiu para livrar-se de uma pena maior? Seria a impressão digital que faltava?

No segundo semestre de 2005, às voltas com o escândalo do mensalão do PT, Lula amargou no final de um dia o que mais tarde o levou a pensar em renunciar à presidência da República. Um assessor do PT no Ceará foi preso com maços de dólares na cueca.

Ainda faltam dólares no escândalo das mensagens trocadas pelo ex-juiz Sérgio Moro com procuradores da Lava Jato durante a instrução do processo que condenou Lula a 12 anos de cadeia. Recentemente, a pena foi reduzida para oito anos. É possível que jamais apareçam.

Mas impressões digitais não faltam. E disso dão conta as revelações que pingam a conta gotas desde que o site The Intercept Brasil recebeu de um informante volumoso e explosivo material que levanta a suspeita de que Moro e procuradores agiram de má fé, sim.

As revelações mais recentes podem ser lidas na edição de hoje da VEJA. Muitas são de arrepiar os mais céticos. Se tudo o que se conhece até agora, e se tudo o que está por vir simplesmente derem em nada, é de crer-se então que a justiça entrou em colapso.

A essa altura, num país sério, tribunais superiores deveriam estar a debater a hipótese de anular o julgamento de Lula, mandando-o para casa. O passo seguinte, ordenar que seja refeito o processo que o condenou sem prejuízo para os demais processos a que responde.

Não é por Lula, nem por Moro, nem por nenhum dos personagens dessa triste e vergonhosa história. É pelo país no qual vivemos.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)