Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Noblat Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Coluna
O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Discussão idiota

A França é campeã porque foi a melhor seleção, não por causa da cor dos seus jogadores

Por Ricardo Noblat
Atualizado em 16 jul 2018, 09h00 - Publicado em 16 jul 2018, 09h00

O da Croácia era um time de brancos. O da França, de negros em sua maioria. É quase unânime na mídia esportiva que o time francês, por mestiço, venceu. Se tivesse perdido, o título inédito da Croácia seria atribuído à cor dos seus jogadores? Idiotice pura.

A França levou a taça porque foi a seleção que melhor jogou na Rússia. Chegou lá como uma das favoritas, assistiu à queda das demais favoritas e deu-se bem, justa e merecidamente. Sua última partida não foi das melhores. A cautela barrou a ousadia.

Fora a volta precoce para casa de seleções do porte do Brasil, Alemanha, Espanha e Argentina, e fora a ida tão longe da Rússia, a surpresa desta Copa foi o desempenho da Croácia que chegou à final. Chegou esgotada depois de disputar três jogos com prorrogações.

Da primeira em 1930 até a de 2018, a França participou de 20 em 21 Copas. Não passou da fase de classificação em cinco. Em seis, parou na primeira fase. Em duas ficou em terceiro lugar. Foi vice-campeã uma vez (2006) Disputou 60 jogos, venceu 30, perdeu 12 e empatou 20.

A Croácia separou-se da antiga Iugoslávia em 1991. A da Rússia foi sua quinta Copa. Não se classificou para uma. Parou na fase de grupos de duas. Ficou em terceiro lugar em uma. Disputou 22 jogos, venceu 11, perdeu sete e empatou quatro.

Continua após a publicidade

A procedência africana de 14 jogadores da equipe bi-campeã do mundo tem mais a ver com a história passada da França do que com a ascensão dos negros na sociedade francesa. Inglaterra e França foram os países que mais colonizaram territórios em África.

Mesmo assim, é mínima a presença de negros entre os que fazem parte da elite dos dois países. Contam-se nos dedos de uma mão os negros com assento na Assembleia Nacional da França, o Congresso de lá. E no primeiro escalão do governo. E na cúpula da Justiça.

O futebol francês teve a sabedoria de assimilar a contribuição de talentos de todas as cores ao seu desenvolvimento. Parabéns.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.